Arquivos de Categorias: Família - Page 2

Pipas no Parque

Lavínia soltando pipa no Parque da JuventudeNo domingo fui de bicicleta com minha filha no Parque da Juventude, antiga Casa de Detenção Carandiru e estava tendo um campeonato de pipas, promovido pela Eletropaulo.

Enquanto ela pintava, eu fiz uma pipa com folha de seda rosa pra ela (igual à ensinada nesse site) e depois fomos empinar. Fazia tanto tempo que eu não soltava pipa e ainda mais tempo que eu não fazia uma!

Ela adorou, até tirei a foto ao lado, dela soltando pipa e filmei um pouquinho. Foi uma pena que nos deram pouca linha, pois ela ficou baixinha.

Nesse fim de semana provavelmente iremos soltar pipa de novo em algum parque de São Paulo. Dessa vez vou comprar um carretel de linha pra que ela possa voar bem alto!

Quem quiser soltar, esse site ensina como fazer pipa. Tem vários modelos, inclusive aqueles que são vendidos na praia.

Aproveitando, não sei quais eram os tipos de pipas no livro ou no filme O Caçador de Pipas (The Kite Runner), do Khaled Hosseini, se alguém souber pode deixar um comentário? Vou ver se alugo o DVD quando for lançado.

Saudosismo e desabafo

Meu blog tem quase 2.100 posts e quase 8 anos de existência. Tive ele durante quase todo meu período de faculdade, quando blog ainda era desconhecido da massa. Quando começei a postar não dava para colocar título nos posts e nem categorizá-los.

Agora estou aos poucos definindo títulos paras páginas antigas e categorizando os que estão sem categoria. É um trabalho que vai longe… bem demorado e cansativo… mas o pior de tudo é o saudosismo que bate!

Dá uma saudade da faculdade, dos amigos, das festas, das aulas, dos trabalhos, dos estudos, das farras, da república, de São Carlos…

Ahhh como a vida é curta e passa rápida demais!

Eu sou um maldido workaholic em uma maldita metrópole longe de meus pais, longe de meus irmãos, longe de meus amigos, distante de meus amigos de faculdade! Distante de meu sonho utópico de utilizar a computação para transformar o mundo em um lugar melhor.

O que eu fiz da minha vida desde que saí da faculdade, desconsiderando-se a felicidade diária que é minha filha? Trabalhei… ganhei dinheiro… fiz dois raftings… fui em alguns casamentos… algumas festas de aniversário… financiei um apartamento… fiz um MBA… trabalhei mais… e mais… e mais…

O que houve com as saídas com os amigos, as idas em bares, os banhos de cachoeira, as conversas jogadas fora, as discussões filosóficas, os jogos, as brincadeiras? Que saudade eu tenho dos fins se semana em que ia para São João del-Rei e jogava Imagem & Ação enquanto tomava vinho com meus amigos!

Na minha primeira entrevista de estágio, em uma empresa de São Carlos, o dono da empresa me perguntou: “o que você quer estar fazendo daqui a 10 anos?” e eu não soube responder. Agora estou pronto para responder essa questão.

Porquinho da Lavínia VI e VII

Mesa com moedas do cofrinhoPraticamente 6 meses desde a última vez que abrimos um porquinho da Lavínia, ontem abrimos o cofrinho e o porquinho.

As moedas foram:

Foram 472 moedas, num total de R$ 129,29.

Festas e passeio de bicicleta no dia do meio ambiente

Passeio de bicicleta com criança na cadeirinhaEsse fim de semana foi beeeem corrido. Teve um aniversário vegetariano na sexta-feira, uma feijoada no sábado e uma bicicletada no domingo.

O passeio de bicicleta foi bem legal. Eu com a Lavínia na minha bicicleta e a Marcela na dela, fomos até o metrô e de lá até o metrô Praça da Árvore, onde encontramos o Thomás e a Érica e fomos todos para a Praça das Bicicletas.

O passeio do CAB devia ter mais de 500 bicicletas e foi muito tranqüilo, bem devagar, saindo do Parque das Bicicletas, indo até a Decatlon Morumbi e voltando para o Parque das Bicicletas, onde teve sorteio de brindes, mas eu não ganhei nada…

O total do dia foram 2 horas, 31 minutos e 17 segundos de pedaladas, cobrindo 25,89km a uma média de apenas 10,2km/h, bem família!

Honestidade na desculpa

Ontem cheguei em casa e minha filha, de 3 anos, estava secando o chão da cozinha. Perguntei como ela conseguiu molhar o chão daquele jeito mas ela não respondeu. A Marcela disse que enquanto ela estava na sala, a Lavínia estava fazendo manha na cozinha e devia ter derrubado água de algum copo.

Mais tarde ela pediu desculpas pra Marcela, que perguntou por que ela estava pedindo desculpas, obtendo a honesta resposta:

_ Porque eu lambi o chão!

Foi difícil não segurar o riso e deixar de arregalar os olhos ao saber a origem da molhação da cozinha!

Términos

Foi um grande alívio o notebook chegar na sexta-feira, apresentar o Plano de Negócios do MBA no sábado, entrar de férias na BM&F, minha filha entrar de férias na escolinha e eu viajar para São João del-Rei com ela, tudo na segunda-feira, podendo descansar desse ano que foi corrido e estressante.

Ano que vem recomeço no trabalho, agora com MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, trabalhando em um novo projeto, minha filha em uma nova escolinha, eu com um novo computador, com as energias renovadas e cheio de novas idéias.

Porquinho da Lavínia V

Um dos porquinhos da LavíniaDesde o nascimento da Lavínia temos o hábito de colocar moedas no porquinho dela. Ontem abrimos o 5º, depois de quase 1 ano juntando. As moedas foram:

Foram 601 moedas, num total de R$ 141,21, bem mais que no primeiro, segundo, terceiro e quarto porquinhos. Só de moeda já depositamos R$ 480,00 na poupança dela.

Rádio Táxi

Em duas oportunidades que minha irmã veio a negócio do Rio de Janeiro para São Paulo ela conseguiu um tempinho para me visitar e nas duas vezes procurei para ela um ponto de táxi em São Paulo que aceitasse o cartão de crédito American Express.

Na primeira vez ela pegou um táxi do Morumbi para o centro, um trajeto que deveria demorar 40 minutos mas levou 2 horas, custou o dobro (isso porque não era bandeira 2, era bandeira 1) , o taxista se perdeu duas vezes no centro e ainda tive de sair da rua Líbero Badaró e ir para o Largo São Francisco encontrar minha irmã pois o taxista não sabia como chegar na Líbero!!! Logicamente nem me recordo mais o nome ou telefone da cooperativa de táxi que fez essa corrida…

Rádio Táxi Vermelho e BrancoNa segunda vez a corrida era do Jardim São Paulo para o hotel em Moema e a empresa escolhida foi a Rádio Táxi Vermelho e Branco, que faço questão de divulgar (esse blog não é só reclamação). Eles ligaram para informar que o táxi chegaria em 10 minutos e passados alguns segundos ligaram novamente para informar que o táxi não chegaria nesse tempo, mas em 8 minutos! Nunca vi uma empresa ligar para dizer que não se atrasariam e ainda diminuir o prazo… Além de atenderem 24 horas (antes de ligar para eles liguei para o ponto de táxi do Metrô Jardim São Paulo e ninguém atendeu), passam o cartão de crédito direto no veículo, sem precisar ficar anotando todos os dados do cartão (o que é uma tremenda falta de segurança).

Segundo o site deles:

Somos uma cooperativa de trabalho de motoristas autônomos de Rádio Táxi Especial do Estado de São Paulo atuantes deste 16 de janeiro de 1975, sendo a empresa pioneira na América Latina e até hoje a maior em número de cooperados, sendo 625 motoristas profissionais altamente qualificados e criteriosamente selecionados e treinados, alguns ainda bilíngües e trilingües que fornecem a maior segurança na prestação dos serviços para qualquer ponto do Brasil.

Dos serviços, tem dois que achei bem interessantes:

  • serviços de informações (bares, restaurantes, hotéis, teatros, eventos, trânsito,etc.)
  • sightseeing – faça um passeio pelos principais pontos da cidade com quem conhece.

o primeiro quero ver como funciona e o segundo não deve ser pro meu bolso, mas não custa nada averiguar.

Para tornar o post ainda mais útil, três links que eu acho indispensáveis para quem quer ir de um ponto a outro de São Paulo:

  • SPTransSPTrans – Itinerários: uma página que já foi tosquíssima hoje é bacaníssima, a melhor página de itinerário de transporte público que eu já vi, se você mora em São Paulo, precisa conhecer. Basta informar local de origem e destino (o tipo de local pode ser uma infinidade de coisas além de endereço, de nome de escola a cartório de registro) e outras informações opcionais (o máximo a andar à pé, se vai usar Metrô e/ou CPTM, se é pra priorizar tempo e/ou custo) que ele traz o trajeto dizendo quanto andar à pé até o primeiro ponto/estação/terminal, que ônibus/metrô/trem pegar, onde descer, onde trocar de condução, quanto tempo dura cada uma e mais uma infinidade de informações e opções.
  • MaplinkMaplink – Rotas Ponto a Ponto: digite o endereço de origem e destino (se for algum metrô digite apenas “metrô” e escolha da lista que vai aparecer) que ele te diz como chegar de carro (vias principais ou mais rápido), à pé ou de bicicleta e ainda informa quanto custaria a corrida de táxi.
  • Google MapsGoogle Maps – Como Chegar: na minha opinião, o melhor mapa de São Paulo, para não dizer do Brasil inteiro. Digite o ponto de origem e destino que ele te diz como chegar de carro (coloque São Paulo – Miami e veja o passo 36). Ainda tem alguns bugs com mãos de direção e nem sempre faz o melhor trajeto.

Ida e volta

Fiquei impressionado com o ônibus convencional da Cometa na ida para BH!. Antes da viagem o motorista se identifica, passa várias informações úteis sobre a viagem, fala da temperatura do ar condicionado e ainda deseja boa viagem!

O cinto de segurança não é desengonçado, é confortável e se “auto-enrola”, ficando guardadinho entre os bancos quando não está em uso, além de não apertar mas ficar sempre justo. Como o motorista sugeriu o uso, essa foi a primeira vez que eu vi todos usando cinto… até a primeira parada, infelizmente.

Fui da rodoviária até a Faculdade de Medicina, quase uma hora de caminhada, debaixo de uma neblina quase garoa. Entrei na biblioteca e terminei de ler o livro “A Segunda Vinda de Steve Jobs”. Um livro que indico a todo Macmaníaco ou computeiro nerd. Lanchei e fiquei aguardando minha mãe, que chegou às 11:00.

Às 19:00 estava uma chuvinha fina, que se alternava entre garoa e chuvinha não-tão-fina-assim e o trânsito estava parado! Acabei indo a pé para a rodoviária, com uma sombrinha que minha mãe me emprestou e nos 30 minutos que fiquei esperando o ônibus comecei a ler o livro do Harry Potter que o Gabriel havia me emprestado.

Infelizmente na volta o ônibus era velho e não tão confortável como o da ida… não tinha ar condicionado, o banheiro fedia a mijo e a cadeira não deitava tanto quanto as do ônibus da ida. Mas mantinha a qualidade Cometa: motorista se identificando, água gelada, bancos espaçosos e rapidez.

Doutorado de minha mãe

Amanhã é, finalmente, a data da defesa da tese de doutorado de minha mãe, em Belo Horizonte.

Deixei de voltar de férias na segunda-feira 6 de novembro para voltar na sexta 3 de novembro (após o feriado de finados no dia 2) justamente para nessa sexta-fera 10 de novembro ir para a capital mineira.

É uma tese em epidemiologia, pelo Programa de Pós Graduação em Saúde Pública, da Faculdade de Medicina da UFMG. Cheio de estatísticas, tabelas e gráficos, discutindo basicamente relação entre usuários de drogas injetáveis, programas de redução de danos, infecção à aids e diferenças de gênero.

O artigo “Características de homens e mulheres usuários de drogas injetáveis do projeto AjUDE Brasil II “, publicado nos Cadernos de Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, na Fundação Oswaldo Cruz é uma “prévia” do que será apresentado amanhã.

Não vejo a hora!

Feriado em São João del-Rei

No feriado fui pra São João del-Rei. Foi inesquecível! Nunca me senti tão descansado e em tanta paz quanto no momento em que estava em minha cidade natal.

Pude perceber a alegria de meu pai, que agora parece estar mais presente, mais feliz, mais descansado e despreocupado. Meus irmãos Lucas e Iara, filhos de meu pai, estão enormes! O Lucas tá com um cabelo grande, estilo Meligeni, muito da hora!

No sábado fiquei ajudando minha mãe no discurso que ela fez no domingo sobre o patrono de sua cadeira no Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei (IHG). Seu patrono é o meu avô materno: Sebastião de Oliveira Cintra. Ficamos olhando seus manuscritos, documentos, certificados, anotações e recortes de jornais. Ainda vou postar aqui o texto que minha mãe escreveu e tenho em mente a idéia de fazer o registro digital de todo o arquivo de anotações do vovô. À noite fui com meu pai no Fishs, comemos peixe e assistimos o jogo do Brasil.

O discurso de minha mãe foi muito bonito, filmei tudo em fita. O IHG estava cheio, até o Marcelo e a Chuva foram. Almoçei com meu pai e meus irmãos Lucas e Iara. O restaurante é um novo restaurante e no mural dele tinha impresso algumas páginas do meu site sobre São João del-Rei…

Domingo fez um calor de rachar, fui com o Diogo na sorveteria do Edinho. Já de tardinha encontrei a Tati na sorveteria do centro. Dei pro Jonas toda minha coleção de latinhas (de refrigerante, cerveja, suco, chá, vinho, pinga, etc.), em torno de 350 em minha última contagem, há 5 anos. Ficava tudo guardado lá no meu quarto, eu não moro mais em SJdR e o Jonas começou a colecionar junto comigo, sempre quis algumas latinhas que eu tinha e as latinhas dele ficam em estantes de vidro no quarto dele, tudo organizado.

Segunda feira foi um dia de ociosidade, de descanso. Tirei todos os meus pertences do meu quarto, tirando minha lupa e um envelope com selos, que não sei onde o Bernardo colocou. Guardei tudo no quarto da Ananda. Aproveitei e arrumei as roupas do Bernardo, que estavam todas jogadas no chão, nas camas (minha e dele), na escrivaninha, na cadeira e em cima da cômoda e do criado mudo. Separei as minhas, que ele estava usando, as que não serviam mais nele, as novas, as que estavam limpa e o resto tudo coloquei pra lavar.

Fiquei extremamente decepcionado com o Bernardo… ele perdeu totalmente a noção de respeito, de família, de propriedade. Usa secador de cabelos para secar roupas, usa cremes e desodorantes de minha mãe, usa minhas roupas. Abriu o meu cofrinho, mexeu em minhas coisas, sumiu com alguns de meus selos. No quarto dele tinham 4 toalhas jogadas, ele toma dois ou três banhos por dia. O quarto é uma bagunça, ele não faz tarefa, perdeu média, falta aulas, usa Internet de dia, apagou minhas fotos que estavam no computador, apagou programas que minha mãe usa na tese de doutorado que também estavam no computador. Ele não respeita nossa mãe, xinga, responde, ameaça e não faz absolutamente nada que ela pede. Está grosso, sem educação, sem respeito.

Me bateu uma tristesa muito grande em ver meu irmão assim. Eu não sei o que fazer para ajudá-lo. Na minha opinião ele está com baixa estima, não tem organização e não liga para seus pertences (livros, roupas, brinquedos, etc.) pois está tudo bagunçado e destruído. Ele não é feliz, isso é fato. Ele acha que nossa mãe não gosta dele, acha que ela trata ele de maneira diferente que tratou eu, a Ananda e o Gabriel. Talvez ele não se sinta bem por seu pai não estar com boa situação financeira ou bem de saúde. Ele é invejoso, só olha para as qualidades de seus amigos e irmãos e não vê suas próprias qualidades. Ele é ocioso, fica o dia inteiro em casa, sem estudar, sem trabalhar, sem ler… sem fazer algo produtivo. O adjetivo que descreve ele é “ingrato”. Ele não percebe como as pessoas gostam dele e querem ajudar, só vê os pontos negativos, as proibições, as broncas, as negações… Além disso ele é cabeça dura e não aceita a opinião dos outros e nem sequer pondera que precisa de ajuda.

Fico pensando o que o Bernardo vai fazer daqui a 2, 3 anos. Ele já tem 17 anos e está no 2º ano. E se ele não fizer vestibular? E se ele não passar em nenhum vestibular? E se ele for morar fora e se acabar em bebidas e drogas? E se ele ficar na casa de nossa mãe e se tornar um vagabundo, ou um bêbado, ou um drogado? Sempre penso no pior. Tento imaginar quais os caminhos para ele ser sucedido na vida, como entrar em uma boa faculdade e ter condições de cursar a faculade de maneira responsável.

Mãe na Net

Descobri que tem um artigo do Jean Boëchat na MagNet entitulado “Você participa de alguma comunidade na Internet?” onde minha mãe participa:

Ana Maria O. Cintra, São João Del Rey, MG

A Internet não tem limites. Nem geográficos, nem de língua, nem de raça, nem de idade, ou seja, todos os preconceitos desaparecem e o que interessa é a comunicação. Tenho pouco tempo para bate-papos, mas gosto de participar da Edutec e saber o que acontece na psicologia, fonoaudiologia, psiquiatria, neurologia e educação, que são minhas áreas de interesse no dia-a-dia. Além disso, é uma forma de saber dos amigos e de obter informações. Na minha casa, três dos meus quatro filhos participam ativamente, em chats, jogos via modem, pesquisas e até criação de páginas.”

Pena que ela grafou São João del-Rei de maneira errada… mamãe é PopStar!

%d blogueiros gostam disto: