Arquivos Mensais: setembro 2008

Centro de São Paulo ilustrado

Uma das vantagens de se trabalhar no centro de São Paulo é encontrar tipos inusitados, como o mendigo da foto abaixo.

Mendigo em frente a perfumaria na Rua São Bento, no centro de São Paulo

Mendigo em frente a perfumaria na Rua São Bento, no centro de São Paulo - 23/11/2004

Uma das vantagens de se trabalhar no Sábado é ver campanhas publicitárias serem feitas:

Modelo sendo fotografado no centro de São Paulo - 08/02/2004

Modelo sendo fotografado na esquina da Av. São João com a Rua Líbero Badaró, no centro de São Paulo - 08/02/2004

Uma das desvantagens de se trabalhar no centro é que quando chove, ou usa-se um guarda-chuva grande ou se molha todo na hora de ir almoçar…

Guarda chuvas na entrada no restaurante La Bocca, na Rua São Bento - 19/07/2004

Guarda chuvas na entrada no restaurante La Bocca, na Rua São Bento - 19/07/2004

Ainda há a vantagem de poder ir na rua Santa Efigênia na hora do almoço, comprar eletrônicos ou artigos de informática.

Viaduto Santa Efigênia visto do restaurante Aroma & Sabor - 13/12/2004

Viaduto Santa Efigênia visto do restaurante Aroma & Sabor - 13/12/2004

Talvez pela idade avançada, o centro é danado pra ter incêndio! Eu mesmo já vi três: na R. Florêncio de Abreu, no Vale do Ahangabaú e na Rua Direita.

Incêndio na Rua Direita - 13/01/2005

Incêndio na Rua Direita - 13/01/2005

Também são inúmeros os artistas urbanos no centro de São Paulo: estátuas humanas, repentistas, violinistas, sanfoneiros, trupes, saxofonistas.

Estátuas humanas na praça Antônio Prado - 11/12/2003

Estátuas humanas na praça Antônio Prado - 11/12/2003

Outro grande inconveniente é a gritaria em frente às janelas do prédio onde trabalho quando tem manifestação. Acredito que a maioria passa pelo centro, ainda mais pelo fato da Febraban e da Prefeitura serem alí.

Professores em greve na R. Líbero Badaró - 26/03/2004

Professores em greve na R. Líbero Badaró - 26/03/2004

É legal ver os eventos que ocorrem no Centro, como o Ouro Olímpico, que são as barrinhas de ouro que a BM&F Bovespa dá para medalhistas e recordistas olímpicos.

Seleção Brasileira de Futebol ganhando barrinhas de ouro - 10/09/2004

Seleção Brasileira de Futebol ganhando barrinhas de ouro em frente à BM&F, na Praça Antônio Prado - 10/09/2004

No Vale do Anhangabaú acontecem diversos eventos, como formatura de policiais, entrega de viaturas, ambulâncias, shows, peças de circo, feirinhas e dá pra assistir de camarote, dependendo de onde for o palco.

Copa do Mundo de Futebol no Vale de Anhangabaú - 22/06/2006

Copa do Mundo de Futebol no Vale de Anhangabaú - 22/06/2006

Ahh, também tem diversos restaurantes bons no Centro, fora que o Mercadão Municipal é logo alí.

Placa do restaurante Jacob, na Rua Direita, onde tem dança do ventre na hora do almoço - 04/06/2004

Placa do restaurante Jacob, na Rua Direita, onde tem dança do ventre na hora do almoço - 04/06/2004

No entanto, o que eu acho mais legal de trabalhar no centro de São Paulo é a beleza dos prédios, a exuberância da selva de pedra, mas isso fica pra outro post.

Avenidas 23 de Maio e 9 de Julho após o Ahangabaú - 11/12/2004

Avenidas 23 de Maio e 9 de Julho após o Ahangabaú - 11/12/2004

Todas as fotos são de minha autoria, tiradas nesses quase 6 anos morando em São Paulo e trabalhando no Centro.

Corrida noturna de Singapura

O melhor da corrida noturna de Singapura foram as bobagens que o chatíssimo Galvão Bueno falou…

  • Alonso, Massa e Hamilton foram os únicos que nunca passaram a menos de 1 dedo do muro. – Quer dizer que todos os outros passaram mais perto que 1 dedo?
  • Acelera lá no Inferno! – tradução para “Push like Hell!”
  • E é boa a vantagem do Hosberg, que é de 8 segundos. – Detalhe, Hosberg estava 12,8 segundos atrás de Alonso e Hamilton estava 25,8 atrás, não sei qual a Matemática de Galvão pra chegar que 25-12 = 8
  • É o piloto mais idoso na pista, falando sobre o Coulthard

Troque o caminhão pela bicicleta

No sábado passado fui na Zona Cerealista (lá nos entornos do Treme-Treme e da Av. Santa Rosa, perto do Mercadão Municipal, Rua Mercúrio e R. da Cantareira).

O que mais marcou não foi o preço baixo que paguei na granola, nos cookies, nas frutas secas (amêndoas, castanhas do pará, castanha de caju, passas), no doce de leite com nozes, na geléia de mocotó e em diversos outros produtos:

Produtos que compramos na Santa Rosa

Produtos que compramos na Santa Rosa

O que mais marcou foi um camarada que estava de bicicleta, carregando uma folha de compensado na cabeça! Eu estava dirigindo e não consegui tirar a foto direito… uma pena.

O cabra macho está carregando uma folha de compensado na cabeça e andando de bicicleta

O cabra macho está carregando uma folha de compensado na cabeça e andando de bicicleta

links for 2008-09-24

#22 – Aposentadoria da máscara

Hoje comprei uma nova máscara (a mesma valvulda da 3M, modelo 8822), podendo aposentar a máscara que usei pela primeira vez na 6ª vez que fui de bicicleta para o trabalho. Usei ela apenas 15 vezes e é impressionante como pegou poluição.

Máscara da 3M

Máscara da 3M, uma foi usada 15 vezes e a outra é nova

Não preciso nem dizer qual é a nova e qual é a usada 15 vezes né? Vale ressaltar que ambas eram brancas quando nova. Os caras do trabalho ficam caçoando de mim quando digo que ando de bicicleta de máscara, pra ir e voltar do trabalho… mas essa foto só me deixa mais confiante em usá-la.

Segundo o site da 3M esse respiradouro é indicado para proteção das vias respiratórias contra fumos e poeiras tóxicas como: asbestos (até 2 fibras/cm3, fibras de vidro, pó de carvão, ferro, alumínio, fumos de solda e outros particulados até 10 vezes o seu limite de tolerância.

Como a máscara não filtra vapores orgânicos, quando passo atrás de um ônibus ou caminhão, o que é bem comum no trajeto que faço, eu não sinto o cheiro da fumaça preta que sai deles, sinto o cheiro do óleo diesel! A máscara protege meus pulmões, mas não os poros da minha pele. Até o suor fica sujo, como pode ser visto na parte interna da máscara.

Máscara da 3M

Interior da máscara da 3M, uma foi usada 15 vezes e outra é nova

Convencer os ciclistas a usarem máscara quando forem andar no trânsito é o mesmo que convencer um fumante a parar de fumar. Essas duas fotos são como se fossem as fotos das caixas de cigarro, você vê que não usar vai ter fazer mal, mas a decisão de usar ou não é sua.

Pelo menos já fico feliz por saber que o uso de capacete já é tido como primordial para a maioria dos ciclistas sérios.

Ida: gastei 29min e 19s para percorrer 9,05km com velocidade média de 18,6km/h e velocidade máxima de 37,3km/h.

Volta: gastei 28min e 46s para percorrer 8,58km com velocidade média de 17,9km/h e velocidade máxima de 35km/h.

#21 – Dia Mundial sem Carro

Hoje, dia 22, é o Dia Mundial sem Carro e eu vou pela 21ª vez para o trabalho de bicicleta.

Fui a primeira vez com os refletores que colei no quadro e com as luzinhas que comprei no Deal Extreme por US$ 2,80. Pra colar os refletores no quadro eu cortei aquela fita reflexiva da 3M que o Denatran obriga caminhões e baú de moto usarem. Quem for fazer isso, muito cuidado, pois a borda da fita é altamente cortante. Depois de colar percebi que eu estava com 2 dedos de cada mão com micro cortes.

Também foi a primeira vez que fui com a jaqueta à prova d’água da Marmot que minha irmã comprou pra mim. No fundo eu estava torcendo pra chover 🙂

Não deu pra ir na bicicletada à noite mas já fiz minha parte.

Ida: gastei 29min e 21s para percorrer 9km com velocidade média de 18,4km/h e velocidade máxima de 33,6km/h.

Volta: gastei 30min e 23s para percorrer 8,59km com velocidade média de 16,9km/h e velocidade máxima de 37,5km/h.

TVs do Desafio Philips

Ontem assisti o comercial do Desafio Philips, em que consumidores compararam duas TVs em uma sala, ligadas da mesma forma, passando as mesmas imagens, sem saber a marca das TVs e tinham de dizer qual a melhor qualidade de imagem.

Achei incrível a grande vantagem que a Philips levou em cima da Sony (74% contra 26%), LG (87% contra 13%) e principalmente Samsung (93% contra 7%) e resolvi investigar pra ver se foi uma comparação justa.

Parece que foi. Foi conduzida pelo IBOPE, com auditoria da BDO Trevisan e supervisão da CPqD. Foram mostradas imagens de DVD e de Blue Ray, em movimento e estáticas, metade das vezes a TV da Philips estava à esquerda da outra TV e na outra metade estava à direita da outra TV. Foram usados cabos HDMI da mesma marca e a fonte de imagem era sempre a mesma, divido para as duas TVs por um aparelho que mostrava metade da imagem em uma TV e a metade da mesma imagem na outra. O som foi desligado para não influenciar na percepção de “melhor qualidade de imagem”. Realmente parece bem científico.

Para quem também queria saber quais são as televisões do Desafio Philips, as televisões comparadas foram os modelos Full HD abaixo:

1º lugar: TV Philips LCD Full HD de 42″, modelo 42PFL7403 – R$ 3.600,00
Ângulo de visão: 178° (H)/178° (V)
Brilho: 500 cd/m²
Contraste dinâmico de tela: 29.000:1
Resolução no painel: 1920 x 1080p
Tempo de resposta (típico): 5 ms

2º lugar: TV Sony LCD Full HD de 40″, modelo KLV-40V410A – R$ 4.500,00
Ângulo de Visão: 178º
Contraste: 25.000:1 (dinâmico)
Resolução: 1920×1080 linhas

3º lugar: TV LG LCD Full HD de 42″, modelo 42LG60FR – R$ 4.500,00
Ângulo de visão: 178º x 178º
Brilho: 500 cd/m²
Contraste: 50.000:1
Formato Tela: 16:9
Resolução: 1920 x 1080 pixels
Tempo de resposta: 4 ms

4º lugar: TV Samsung LCD Full HD de 40″, modelo LN40A550P3 – R$ 3.500,00
Ângulo de Visão de 178º
Brilho: 500 cd/m²
Contraste: 30.000:1
Resolução: 1920 x 1080p Full HD
Tempo de resposta : 6ms

Moedas Canadenses

Hoje minha irmã chegou do Canadá e o Thalles, seu noivo, me trouxe 3 moedas de 1 dólar canadense (loonie), 17 moedas de 25 centavos de dólares (quarter), 2 moedas de 10 centavos (dime), 2 moedas de 5 centavos (nickel) e uma de um centavo (penny), todas diferentes uma das outras. Também me trouxe uma de 1 dólar antigo (voyageur).

Fiquei impressionado com a quantidade de moedas comemorativas no Canadá, a maioria de 25 centavos. A moeda de 50 centavos (fifty-cent piece ou half-dollar) quase não é utilizada e tem gente que não aceita por não conhecer. Eles também têm moeda de 2 dólares (toonie ou twoonie) e não têm nota de 1 e 2 dólares, para incentivar o uso de moedas. Todas as moedas são escritas em inglês e francês.

São tantas moedas comemoriativas que existem diversos clubes numismáticos, livros e catálogos. Tem um livro, chamado Charlton’s Standard Catalogue of Canadian Coins, que pelo 63º ano publica uma lista de moedas do Canadá.

Nessas procuras encontrei 3 livros que devem ser super interessantes:

Ahh, eles também me trouxeram uma moeda do “Maid of the Mist“, nas cataratas do Niágara (aquela que o Pica Pau desce de barril). É uma moeda de 1 centavo de dólares dos Estados Unidos prensada, muito interessante.

Também ganhei uma moeda/medalha comemorativa dos 100 anos do Royal Canadian Mint (seria a “Casa da Moeda” do Canadá).

links for 2008-09-20

links for 2008-09-19

links for 2008-09-18

Computador de melhor custo benefício

Hoje encontrei no Submarino o computador de melhor custo benefício que já vi até hoje, é o CPU Core 2 Duo E7200 4GB 500GB DVD Linux + LCD 22″ 2232BW Plus Samsung da Qbex Computadores.

Os motivos para ser o melhor computador do Submarino são:

  1. ele vem com um monitor de LCD widescreen de 22″ da Samsung modelo 632NW (que sozinho custa R$ 850,00)
  2. tem processador Intel Core 2 Duo modelo E7200 de 2,35GHz
  3. já vem com 4Gb de memória RAM, DDR2 de 667MHz
  4. o HD é SATA e de 500Gb
  5. vem com gravador/leitor de CD/DVD
  6. vem com modem e placa de rede (pra usar Internet discada ou banda larga)
  7. preço de apenas R$ 1.499,00

Não é o PC top de linha que um nerd computeiro como eu gostaria de ter, mas é inúmeras vezes melhor que o antiquado AMD Athlon XP 2500+ Barton que eu tenho!

Se fosse fim de ano e eu estivesse com meu 13º eu ia comprar, principalmente por conta do monitor. O pagamento em 12 vezes sem juros e frete grátis deixam ele ainda mais tentador!

Update: descobri que esse preço é de uma promoção que só vale hoje, quem não conseguiu esse preço pelo link acima, acesse o site da promoção aqui.

Projeto: Tikuna

Nasceu ontem (mas como o blog ficou “morto” nessas últimas 24 horas só noticio agora) o Tikuna.

Será um site de comparação de preços com foco no Submarino e muitas diferenças para sites tradicionais de comparação de preços, como Bondfaro/Buscapé e Jacotei.

Desejem-me sorte!

Desconto na C&C – Casa & Construção

Descobri que a C&C – Casa & Construção oferece desconto de 5% pelo site.

Minha esposa quer reformar o banheiro e lá costuma ter preço bom em material de construção.

É só informar o cupom de desconto ded1bed9d8

Como subir código fonte para o Google Code

Assim que eu coloquei o ticker de Consulta Cotação Bovespa no Google Code, a primeira dificuldade que tive foi para colocar o código fonte dele no repositório do Google Code, que é usa o SVN (evolução do CVS, que mexi por alto no tempo de faculdade).

Como eu uso Windows e quero facilidade acima de tudo, nada de ficar digitando linha de comando, instalei o TortoiseSVN.

  1. No Windows Explorer, clica-se com o botão direito na pasta onde está o código fonte da aplicação e vai na opção TortoiseSVN -> Import…
  2. Abre-se uma tela onde pede para digitar a URL, que é a que fica na aba “Source” no projeto, no meu caso é https://cotacao.googlecode.com/svn/trunk/
  3. Nessa tela tem um campo para digitar uma mensagem, que pode ser “Versão inicial” ou algo do gênero.
  4. Pede login e senha. O login é o nome do Google Account, que também está na aba “Source” e no meu caso é cintra. Para descobrir a senha é só clicar no link googlecode.com password, nessa mesma aba.
  5. Pronto, agora os arquivos estão no repositório.

Como pela opção “Import…” todos os arquivos dentro da pasta são enviados, é interessante verificar antes se não tem “lixo” na pasta, como arquivos temporários ou binários. O repositório de código é para armazenar apenas código!

No Google Codes existem 4 pastas:

  • branches (galhos): são versões derivadas de outras versões. Pode ser uma versão intermediária, que ainda não está estável. Não é uma cópia física da versão, apenas um “link”.
  • tags (etiquetas): no Source Safe era chamado de Labels, servem para identificar uma versão. Também não é uma cópia física da versão, apenas um “link”.
  • trunk (tronco): é a versão principal da aplicação e não deixa de ser um “branch”
  • wiki: é onde ficam as páginas wiki do site do projeto.

Então após ter subido o código fonte para a pasta trunk, eu criei uma tag para a versão que eu subi, que é a 2.4.1 e o procedimento também é muito simples.

  1. No Windows Explorer clicar com o botão direito do mouse em uma pasta e ir em “SVN Checkout…” e fazer o checkout da pasta trunk do projeto
  2. Clicar novamente na pasta e ir em “TortoiseSVN” -> “Branch/tag…”
  3. Digitar a URL de destino (no meu caso deixei como https://cotacao.googlecode.com/svn/tags/2.4.1/)
  4. Informar o “Create copy in the repository from:”. Como no meu caso é para usar a última versão, eu marquei a opção “Head”
  5. Informar uma mensagem e mandar bala!

Não acho que o TortoiseSVN seja o melhor programa, vou tentar outros também. Minha busca é para um que funcione atrás de proxy.

%d blogueiros gostam disto: