Arquivos Mensais: novembro 2002

Vejo o vazio. Nada no armário, cama só com colchão…

Vejo o vazio. Nada no armário, cama só com colchão, estantes e mesas solitárias pelo quarto.

Ao mesmo tempo vejo o caos. Caixas espalhadas, pratos e copos embalados, malas cheias de roupas.

Estou me sentindo um vazio no meio do caos. Desorientado, mas de banho tomado e barba feita. Uma sensação de calma enquanto tudo rui. Naturalmente eu.

Hoje vesti meu terninho novamente. Dessa vez pra v…

Hoje vesti meu terninho novamente. Dessa vez pra voltar na BM&F. Torçam por mim.

Dark Art Devian Art Little Rocket Ark Libelula …

Dark Art

Devian Art

Little Rocket Ark

Libelula Art

Nemo Nox Art

Mudanças, mudanças e mais mudanças! Ou simplesment…

Mudanças, mudanças e mais mudanças! Ou simplesmente: o fim.

O fim de 3 anos morando em um apartamento de 265m2, com Speedy, Sky, suíte com hidromassagem, rede de 5 computadores, comida e roupa lavada. Fim de uma vida tranqüila, no centro de São Carlos, a 2 esquinas do ponto de ônibus, 2 supermercados e farmácia. É o fim da República TNT.

Wladmir, Netto, Beraba, Kenji, Eu, Qk, Victor e Kelvin. Todos agora são ex-moradores de tão agradável república. O fim de uma era.

O Kenji sai esse fim de semana. Netto sai semana que vem e eu vou com ele. Não sei nem onde é… não tenho nem endereço… mas vou. Tenho de ir pra algum lugar.

Hoje, depois de mais de um ano de abstinência, com…

Hoje, depois de mais de um ano de abstinência, comi um Tic Tac. Do branco, mais light. Hesitei antes de aceitar quando a Elen me ofereceu, mas acabei pegando.

Morreram… a lâmpada e meu Windows XP. Formatei o…

Morreram… a lâmpada e meu Windows XP. Formatei o micro e não consegui instalar o XP de novo… então coloquei o 98. Tá redondo. Eu só acho que a tinta amarela da minha impressora acabou. Será que é possível isso?

Hoje foi um dia bom. Dormi bem. Tomei coca cola e comi lasanha de madrugada. Ouvi Belle and Sebastian. Vi competição de skate. Só…

A lâmpada fria do meu quarto queimou… ou está qu…

A lâmpada fria do meu quarto queimou… ou está queimando, sei lá. Isso daqui está parecendo uma discoteca. Tá parecendo aqueles corredores do Duke Nuken.

Que dia foi a quinta feira… saí da república

Que dia foi a quinta feira… saí da república às 2:00 e 2:08 já tava na rodoviária. Existe um lapso de tempo nos ônibus da Cometa pra São Paulo, o último tinha sido às 12:05 e o próximo seria às 5:05! Felizmente tinha um ônibus da Empresa Cruz às 2:35, que foi minha salvação. Nunca dormi tanto em uma viagem, nem na parada eu acordei!

Valeu a pena, 6 horas eu tava no terminal rodoviário do tietê, indo pra lá e pra cá atrás de informação. Foi no próproio guichê de informações do terminal que me disseram que eu tinha de pegar o metrô sentido Jabaquara, parar na Santa Cruz, pegar um ônibus pra Vila Arapuá (476H) e descer no final da rua Epiacaba. Bem diferente do caminho que o Franssatto tinha me dito, mas prefiri confiar no terminal e encarar o metrô. Os taxistas já tinha me assustado dizendo que eu tinha que ir pra lá ou pra cá… cada um com uma idéia e informação diferente.

Às 6:28 eu peguei o metrô, cheguei lá no Shopping Estação Santa Cruz e dei uma volta no quarteirão, até descobrir que o ônibus que eu precisava estava do outro lado da avenida, em frente ao shopping. Fiquei um tempão esperando, até que parou uma van que ia pra lá. Encarei.

Puta adrenalina a van. Eles se comunicam por rádio entre as vans e os vendedores de passe, sabem onde está cada outra van e cada ônibus da linha e tentam chegar antes que os ônibus. O carinha corria tanto! Cortava ônibus a 80 por hora, passava correndo no meio de dois carros em espaços que eu não passo nem com o corsinha, corria feito um louco pelas ruas calçadas e ultrapassava qualquer tipo de veículo pela contra-mão ou por cima da faixa de divisão das duas pistas. Adrenalina pura! Deve ser normal isso em São Paulo, pq os carros iam saindo da frente quando viam um louco desembestado em uma besta correndo pelo meio de uma rua. Adrenalina pura. Pra apimentar um pouco mais a viagem, fomos passando em um bairro cheio de barracos, sem um único prédio ou casa com alguma pintura acabada. Nessa hora eu pensei: putz, a van vai me deixar no meio de uma favela e vou ter de andar a pé até a empresa, de terno?

Já eram 7:30 e eu não acreditava mais que conseguiria chegar a tempo. Estava pensando em como ligar do meu celular pra empresa falando que chegaria atrasado sem chamar atenção e roubarem meu celular. Felizmente 10 minutos depois paramos no ponto final, o último ponto da rua Epiacaba. Perguntei prum fiscal do ponto como chegava na rua Karam Salim Racy e ele disse: “vira a esquerda aqui [apontando pruma rua], sobe o escadão no final e já tá lá” eu cheguei a perguntar se dava pra ir a pé ou era longe (afinal, já eram 7:40) e pensei que ele fosse me bater! Andando uns 200 metros e subindo uma escadinha que da maneira que o fiscal disse pensei ser uma escadaria interminável, entrei numa realidade paralela. Uma praça arborizada, com carrões estacionádos, uma empresa à esquerda e um grande prédio no fim. Era esse último o prédio da KSR, onde eu deveria ir.

Na recepção encontrei os caras que estavam na última entrevista e mais alguns outros que não conhecia. Por volta de 8 horas fomos pruma sala súper chique, com um bar cheio de vinhos chiques, onde fizemos a entrevista com os dois gestores, um de cada vaga uma das vagas que nós 13 estávamos disputando. Infelizmente minha ausência de experiência profissional e falta de certificações pesou negativamente em relação às 6 pessoas que ficaram na minha frente e vão disputar as duas vagas.

Nós 13 trocamos e-mails, telefones e vamos manter contato. Fizemos várias amizades, o pessoal é todo muito legal. O mais interessante é que é a turma de Computação com mais mulheres que eu já vi: metade. Valeu a pena essa correria toda pra São Paulo. Conheci pessoas legais, aprendi muito nessas dinâmicas, já estou com mais experiência, estou menos disinibido e também estou pegando algumas manhas de entrevista.

Boa sorte H!! Vamos lá que vc vai conseguir… =…

Boa sorte H!!

Vamos lá que vc vai conseguir…

=)

Chique ‘no úrtimo’ como comentaram!

Depois vai ter de se acostumar com a vida de rico….

Beijos,

Puta merda… acabei de conseguir acessar a caixa …

Puta merda… acabei de conseguir acessar a caixa postal do meu celular e tive a infeliz infelicidade de descobrir que a entrevista na VCP foi antecipada das 13:40 pras 7:40 da manhã, ou seja, vou tomar banho, me vestir e em meia hora estarei na rodoviária pra ir pra São Paulo.

Desejem-me sorte!

Hoje

Hoje às 6 da manhã vou pra Campinas com o Clóvis. Ele fica por lá, fazer a entrevista da Nortel e eu vou pra São Paulo, fazer a entrevista com o gestor da VCP. Talvez meu futuro chefe, se eu for bem. O problema é que o lugar é numa tal Rua Karim Simão Racy. Tem site que fala que é no bairro Ipiranga, tem gente que fala que é Aclimação, os Correios falam que é Parque Fongaro e o Apontador fala que é Sacoma… O mais incrível é que para todos, o CEP e o lugar são os mesmos. É perto do Carrefour Anchieta. Na divisa entre São Paulo, São Caetano e São Bernardo, onde Judas perdeu as botas.

Dessa vez vou de terno. O terno que comprei com minha mãe em BH, a camisa beje que comprei hoje, a gravata dourada que meu avô me deu ha alguns anos, o sapato caramelo que comprei em Ribeirão Preto nesse fim de semana, junto com o cinto da mesma cor e os óculos escuros que minha mãe comprou mas eu pedi e ela me deu. Será a primeira vez que saio de terno para uma entrevista. Andarei por São Paulo como um verdadeiro paulistano, com o Estadão na mão, cara de mau, pasta da Conectiva e o coração na mão, enquanto encaro os passageiros no ônibus Terminal Tietê -Guarulhos.

I am a Java man. Everywhere I look I see tokens, a…

I am a Java man. Everywhere I look I see tokens, analyze methods and AST poping all the time. I don’t talk anymore, just genJ() my Simples vocabulary. I smell the grammar, I walk with ws.java…

Depois da minha greve silenciosa volto a escrever….

Depois da minha greve silenciosa volto a escrever.

Por que? Bem, depois de ter escrito um texto emocionante sobre as aventuras do acampamento, sobre o cachorro comendo todo o nosso café da manhã, sobre as manotas do Jonas, a porcaria aqui trava… Mas bem faz parte. Pensei também em escrever sobre os efeitos do pão com linguiça que eu comi semana passada, mas desanimei.

Alias acabei de esquecer o que eu ia escrever aki… raios.

Bem, se eu lembrar volto a postar…

O que sou eu amanhã? Como será o dia de amanhã?

O que sou eu amanhã? Como será o dia de amanhã?
É uma indefinição, não posso saber o futuro. Não sei o futuro.
Eu vivo no presente. Vivo o presente. Sinto o presente ao meu redor.
Meu presente torna-se passado e vivo o futuro. Mas sempre no presente.
Só existe o presente. No presente existe memória de presentes passados.
O passado só existe no presente. Não existe o futuro. Só existe o presente.
O presente que está por vir pode ser de infinitas, indeterminadas maneiras.
O presente escolhe dessas infinitas alguns muitos finitos possíveis futuros.
O presente que já vivi e que hoje consiste de minha memória, é o passado.
Não vivo o passado. Ele é imutável. Aconteceu e acabou, para sempre.
O presente hoje é fruto do presente que vivi e hoje é passado.
O amanhã é indeterminado. Mas depende do presente.

Vou amanhã pra São Paulo. Dinâmica da VCP (Votoran…

Vou amanhã pra São Paulo. Dinâmica da VCP (Votorantin Celulose e Papel). Hoje teve dinâmica da Nortel na faculdade, dinâmoica essa que pareceu ser uma zorra, mó desorganização, falação e baderna. Tá… não chegou a tanto, mas não foi tão legal quanto a da BCP. O cara da SV Consultoria marcou uma entrevista comigo na quinta feira à tarde. A BM&F está até hoje sem respostas… mas hoje mandei e-mail pra Kelly e ela disse que “estaremos entrando em contato. não convocamos ninguém ainda.“, já é um alívio! Quanto à Bull… é uma incógnita!

%d blogueiros gostam disto: