Sabedoria da Chuva

Era uma vez uma Chuva. Não a Chuva da Montanha, uma chuva comum. Melhor… deixa a chuva pra lá. Esquece a chuva… por enquanto.

Era uma vez uma fazenda, no Inverno. Nela não chovia… nem uma gota. Vez ou outra caia um leve sereno, mas nem chegava a molhar. A situação já era crítica. Aos poucos a vida foi ficando difícil de se manter: a horta com as leguminosas, o pasto para as cabras, o córrego dos peixes… Se não fosse pela irrigação não restaria um único pé de couve na horta para contar a história.

Era só o verão chegar que começava a chover. A salvação para todos os problemas, a divina chuva que molha e enriquece. Parecia que tudo estava resolvido, mas a chuva não parava. E a chuva vira problema. Os peixes cansam com a corredeira, as leguminosas se afogam e as pobres cabras adoeçem por ficar molhadas.

A chuva que tanto foi esperada agora é a chuva que coloca a fazenda em apuros. “Eu quero uma chuva regular, nem muito nem pouco!” – dizia o fazendeiro. Mas a Natureza é perfeita, o verão acaba e com o verão acabam-se as chuvas. Pobre fazendeiro, que não compreende as vontades da Deusa.

Sábio é o fazendeiro que nunca deixa a água faltar em sua fazenda, sabendo administrar as forças da Natureza.

Deixe um Comentário

0 Comentários.

Não fique de fora, dê sua opinião!

%d blogueiros gostam disto: