Arquivos de Categorias: Política

Engajamento Político

“Nunca antes na história deste país”, como diria o companheiro Lula, a população brasileira foi tão politizada. Falamos sobre política no almoço, nas ruas, no trabalho, com amigos, com desconhecidos, com os filhos e com os pais.

Assistimos ao pronunciamento da presidente e comentamos, analisamos, levamos pra pauta do dia. No lugar de dizer pra um estranho no elevador “Hoje tá frio né? Acho que vai chover…” Dizemos “O pronunciamento da presidente foi muito fraco né? Ela disse que vai aumentar a transparência pra diminuir a corrupção mas nem falou de condenação pra quem rouba, nem disse que vai tirar do governo dela quem já foi condenado”.

A politização da população é um excelente resultado que colhemos desse momento de mobilização e união do povo e vai ajudar muito às pessoas falarem abertamente de suas opiniões durante as eleições, trocando pontos de vista sobre os candidatos e suas propostas.

Até então discussões políticas se restringiam a partidários de algum partido, hoje o povo comum, sem partido e sem rótulos ideológicos está expressando sua voz, sua opinião política e isso é ótimo para todos!

#VemPraRua

Eu estou preocupado da manifestação popular por um Brasil melhor virar baderna sem objetivo claro, perder o rumo, perder o foco.

Também me incomoda a ausência de liderança, já que o MPL conseguiu revogar o aumento das passagens e sai do posto de organizador das manifestações. As 5 prioridades do Anonymous podem ser um norte, mas são uma versão das decisões políticas que engolimos, a diferença é que não veio do governo e sim de um grupo que não sabemos quem é, não sabemos como definiram as prioridades e nem quais critérios usaram para escolher os 5 itens.

O discurso da Dilma mostra que o governo entende o que o povo quer, mas ela continua com a demagogia de dizer que o governo está melhorando a situação da população e por isso o povo quer mais, que não queria antes.

Nós brasileiros sempre desejamos o fim da corrupção, a melhora da qualidade da educação e dos serviços básicos de saúde e transporte. A diferença é que nos juntamos para externalizar esse sentimento porque a situação chegou a um ponto de descrédito tão grande dos políticos que não aguentamos mais ficar passivos.

Eu não ligo se quem está nas manifestações é nacionalista, socialista, de direita, conservador, de esquerda, governista, oposição, de partido, sem partido, religioso ou ateu… O objetivo de todos é um Brasil melhor e na democracia há espaço para o diálogo de todas as ideologias, quando o propósito é o progresso da nação e não o benefício de uma única pessoa ou grupo.

Eu só não tolero criminosos que destroem o patrimônio privado e público, isso não traz benefício pro país, não é para o bem comum, é a ignorância que queremos eliminar. Vandalismo é repreendido por todos e tira o foco do objetivo da passeata, fazendo com que o povo vá contra a manifestação, criando antipatia, raiva e descrédito no movimento. Louvo os manifestantes que fazem e defendem a manifestação pacífica, isso não é moralismo, mas sim ter um objetivo. Gandi conseguiu destruir um império através da não violência!

Se os políticos passarem a ter respeito pelo povo brasileiro, usando o nosso dinheiro da melhor forma, com profissionalismo e competência, priorizando o que o país realmente precisa para crescer de forma sustentável, dou-me por satisfeito. O restante vem de tabela.

[Mau] Educação no Brasil

O nosso excelentíssimo ministro da educação Aloizio Mercadante estava feliz da vida com a aprovação da cota de 50% nas universidades públicas para quem estudou todo o ensino médio em escola do estado e disse:

“Os alunos da escola pública vão poder fazer medicina nas melhores universidades do Brasil, ou engenharia, ciências da computação. Pela primeira vez na história, as melhores universidades vão se abrir pros alunos da escola pública.”

Catzo, melhora o ensino público!!!! Nivela por cima, não por baixo!

Estudei 10 anos de minha vida em escola estadual, cursei ciência da computação em universidade federal e quando entrei não havia cota alguma… foi na competência mesmo.

Que mania esse governo tem de tapar o problema com a peneira… se os alunos da escola pública não estão conseguindo entrar mais nas universidades federais o problema não está na alta qualidade das universidades federais, mas na baixa qualidade da escola pública!

Colocar alunos menos qualificados nas universidades vai diminuir a qualidade da universidade, não irá aumentar a qualidade do ensino…

Essa política terrorista de congelar salário de professores universitários, propor reajustes inferiores à inflação e descontar dias em greve é uma demonstração da prioridade que o governo dá para a educação no Brasil.

Livros pra inguinorantes

Crônica de Carlos Eduardo Novaes no Jornal do Brasil

Confeço qui to morrendo de enveja da fessora Heloisa Ramos que escrevinhou um livro cheio de erros de Português e vendeu 485 mil ezemplares para o Minestério da Educassão. Eu dou um duro danado para não tropesssar na Gramática e nunca tive nenhum dos meus 42 livros comprados pelo Pograma Naçional do Livro Didáctico. Vai ver que é por isso: escrevo para quem sabe Portugues!

A fessora se ex-plica dizendo que previlegiou a linguagem horal sobre a escrevida. Só qui no meu modexto entender a linguajem horal é para sair pela boca e não para ser botada no papel. A palavra impreça deve obedecer o que manda a Gramática. Ou então a nossa língua vai virar um vale-tudo sem normas nem regras e agente nem precisamos ir a escola para aprender Português.

A fessora dice também que escreveu desse jeito para subestituir a nossão de “certo e errado” pela de “adequado e inadequado”. Vai ver que quis livrar a cara do Lula que agora vive dando palestas e fala muita coisa inadequada. Só que a Gramatica eziste para encinar agente como falar e escrever corretamente no idioma portugues. A Gramática é uma espéce de Constituissão do edioma pátrio e para ela não existe essa coisa de adequado e inadequado. Ou você segue direitinho a Constituição ou você está fora da lei – como se diz? – magna.

Diante do pobrema um acessor do Minestério declarou que “o ministro Fernando Adade não faz análise dos livros didáticos”. E quem pediu a ele pra fazer? Ele é um homem muito ocupado, mas deve ter alguém que fassa por ele e esse alguém com certesa só conhece a linguajem horal. O asceçor afirmou ainda que o Minestério não é dono da Verdade e o ministro seria um tirano se disseçe o que está certo e o que está errado. Que arjumento absurdo! Ele não tem que dizer nada. Tem é que ficar caladinho por causa que quem dis o que está certo é a Gramática. Até segunda ordem a Gramática é que é a dona da verdade e o Minestério que é da Educassão deve ser o primeiro a respeitar.

Profissão: Bombeiro

Lembro-me de que antes de prestar vestibular para cursar uma faculdade, minha mãe comprou um daqueles guias do estudante, com lista de diversas profissões, melhores universidades, campo de trabalho, áreas em crescimento, etc. Eu já sabia que faria ciência da computação, então o guia foi mais para escolher a universidade.

Na época fiquei transtornado por não ter no guia uma das profissões que mais admiro: bombeiro. Assisti de camarote o incêndio que em 1995 consumiu inteiramente a casa onde nasceu o ex-presidente Tancredo Neves, em São João del-Rei, numa época em que lá não existia bombeiro militar.

Treinamento de Brigadista de Incêndio

Treinamento de Brigadista de Incêndio

Quando vim morar em São Paulo conheci uma outra faceta dos bombeiros, que me deixou ainda mais impressionado: salvar vidas quando ela está em risco. Eles salvam pessoas atropeladas, retiram feridos dentro de veículos retorcidos, procuram sobreviventes no meio de escombros, revivem afogados em rios, represas, lagos e até no mar. Eles se colocam em risco para chegar com uma ambulância, uma viatura, barco, bote, helicoptero ou até mesmo uma moto na pessoa necessitando de ajuda imediata. São nossos anjos aqui na Terra.

Agora… eu simplesmente não consigo imaginar o que tem na cabeça do governador do Rio de Janeiro ou do alto comando militar pra colocar o Bope (sim, aquele do Tropa de Elite) prender centenas de bombeiros dentro de um quartel!

Pra contrapor essa notícia, o comparsa confesso do assassino da USP foi solto após prestar depoimento… Eu realmente não entendo a justiça brasileira…

A religião é o ópio do povo

Karl Marx foi um cara sabido, que em 1843 escreveu um texto entitulado Kritik des hegelschen Staatsrecchts (Crítica da Filosofia do Direito de Hegel) onde tornou popular o pensamento de que Die Religion… Sie ist das Opium des Volkes (A religião é o ópio do povo).

É este o fundamento da crítica irreligiosa: o homem faz a religião, a religião não faz o homem. E a religião é de fato a autoconsciência e o sentimento de si do homem, que ou não se encontrou ainda ou voltou a se perder. Mas o Homem não é um ser abstrato, acocorado fora do mundo. O homem é o mundo do homem, o Estado, a sociedade. Este Estado e esta sociedade produzem a religião, uma consciência invertida do mundo, porque eles são um mundo invertido. A religião é a teoria geral deste mundo, o seu resumo enciclopédico, a sua lógica em forma popular, o seu point d’honneur espiritualista, o seu entusiasmo, a sua sanção moral, o seu complemento solene, a sua base geral de consolação e de justificação. É a realização fantástica da essência humana, porque a essência humana não possui verdadeira realidade. Por conseguinte, a luta contra a religião é, indiretamente, a luta contra aquele mundo cujo aroma espiritual é a religião.

A miséria religiosa constitui ao mesmo tempo a expressão da miséria real e o protesto contra a miséria real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o ânimo de um mundo sem coração e a alma de situações sem alma. A religião é o ópio do povo.

A abolição da religião enquanto felicidade ilusória dos homens é a exigência da sua felicidade real. O apelo para que abandonem as ilusões a respeito da sua condição é o apelo para abandonarem uma condição que precisa de ilusões. A crítica da religião é, pois, o germe da crítica do vale de lágrimas, do qual a religião é a auréola.

A crítica arrancou as flores imaginárias dos grilhões, não para que o homem os suporte sem fantasias ou consolo, mas para que lance fora os grilhões e a flor viva brote. A crítica da religião liberta o homem da ilusão, de modo que pense, atue e configure a sua realidade como homem que perdeu as ilusões e reconquistou a razão, a fim de que ele gire em torno de si mesmo e, assim, em volta do seu verdadeiro sol. A religião é apenas o sol ilusório que gira em volta do homem enquanto ele não circula em tomo de si mesmo.

Conseqüentemente, a tarefa da história, depois que o outro mundo da verdade se desvaneceu, é estabelecer a verdade deste mundo. A tarefa inmediatada da filosofia, que está a serviço da história, é desmascarar a auto-alienação humana nas suas formas não sagradas, agora que ela foi desmascarada na sua forma sagrada. A crítica do céu transforma-se deste modo em crítica da terra, a crítica da religião em crítica do direito, e a crítica da teologia em crítica da política.

Interessante ponto de vista.

FHC: Imagem do Real

28 de Outubro de 1999, 3º ano do 2º Grau, 18 anos

Popularidade e FHC, duas palavras antagônicas. Como economista, FHC criou o Plano Real, moeda atrelada ao dólar, inflação de 5% ao ano. Foi um “boom” que tirou o Brasil da lama. O plano era tão bom em relação ao antigo, que FHC acabou sendo eleito presidente.

Em 1994, o Brasil estava eufórico com a nova estabilidade econômica e com FHC, o criador da estabilidade. Embriagados pelo sucesso do Plano Real, os eleitores, em grande maioria, apostaram em FHC, se como economista fez isso, imagine como presidente! Eleito presidente, ele nada fez para melhorar sua imagem, sua populaaridade só crescia no exterior, devido às suas inúmeras viagens. Foram quatro anos de calmaria política e conômica não só no Brasil, como no mundo inteiro. FHC não tinha muito com que se preocupar, apenas manter a popularidade do Real, espelho de sua própria popularidade, em alta.

FHC criou uma emenda que permitia a reeleição, beneficiando-se. Novamente o Real foi o diferencial, a campanha de FHC era, indiretamente, um aviso de que “o outro” fosse presidente, o Plano Real entraria pelo cano, levando o bem estar político, econômico e social junto. Outra vez, o Plano Real ganhou a eleição para FHC.

No segundo mandato, o mundo passou por três crises: a asiática, a das bolsas e a russa. FHC fez de tudo para manter o Real. Vendeu estatais, lançou dólares no mercado, desvalorizou a moeda, entre outras medidas. Mesmo assim, a economia e o Real sofreram um baque, um grande desfalque, despencando o crédito no plano, bem como em FHC.

Desemprego, dólar a R$ 2,00, déficit orçamentário. O Real já não é a imagem ensolarada do Brasil. A imagem de FHC está por um fio: a inflação. Se a inflação aumentar, arruinando de vez o Plano Real, a insignificante popularidade de FHC sumirá de vez.

Durante todo o seu mandato, a popularidade de FHC não passava da imagem otimista do Real. Se esse ruir, FHC passará de mártir a carrasco de nossa economia. Ainda pior: os brasileiros culparão FHC de ter governado mal, destruído o real e tudo o que aconteceu de errado no Brasil.

Direitos Humanos

Pergunta de entrevista da Folha de São Paulo com o secretário de segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame:

A falta do cerco [na Vila Cruzeiro] foi o que permitiu a fuga?

Aquela imagem [dos traficantes fugindo no alto do morro] eu sei que chocou muita gente. Mesmo que eu tivesse com os pontos controlados, no Brasil só posso prender em flagrante ou com decisão judicial. Paro um cara daqueles. E aí? Se não tiver como provar que é traficante, por estar desarmado e sem droga?

Qual foi a orientação dada para que operação terminasse com poucas mortes?

Não quero matar ninguém. Hoje vocês me cobram porque fugiram. Se eu autorizo o helicóptero blindado a decolar com uma metralhadora automática, vocês iriam dizer: secretário, morreu gente ali que só estava com uma mochilinha nas costas.

E estava cheio de gente assim, sem arma. Esse cara botou uma camisa, se é que botou, e passou na cara do policial. Porque é o cara que gravita no tráfico. Porque o cara que está na moto lá embaixo para vender, não está armado. Se ele vai preso, perde só a droga. O fogueteiro não está armado, o cara da pipa na laje não está armado.

Se vais subindo, aqueles senhores lá em cima tem um aparato e pelo tempo que têm no tráfico vão ter um antecedente. Aquele que a mãe entregou, ela dizia, é envolvido com o tráfico. Fomos puxar os antecedentes e só tinha um furto de veículo. Aí fica até ruim para o delegado. Vou enquadrar o cara em associação para o tráfico porque a mãe dele está dizendo. Esse troço de fuga não é simples.

É isso que acontece na mídia brasileira… Invadir um presídio e matar dezenas de presos revoltosos: desumanidade. Invadir uma favela e deixar centenas de traficantes sairem vivos: falta de planejamento.

Petição pela aprovação da Lei de Proteção Animal

Recebi hoje um e-mail com os seguintes dizeres:

O Deputado Edson Portilho, do Rio Grande do Sul, teve a desventura de criar um projeto de lei que permite que os animais sejam torturados e sacrificados em rituais religiosos.

O parlamentar, sabendo que os protetores dos animais se manifestariam, fez a seguinte trama: marcou a apresentação para votação da lei num dia de julho, mas fez um chamado urgente e marcou a reunião às pressas, mais cedo. Os únicos avisados foram os demais deputados. Ou seja: não havia defesa.

Os animais não tiveram oportunidade de ter pessoas que os representassem. Quem poderia responder por eles? E aconteceu o que mais temíamos: houve 32 votos contra os animais e apenas 2 a favor.

Os animais agora poderão ter olhos e dentes arrancados e cortados em vários pedaços para fazer o tal Banho de Sangue. Os animais que não servem mais para o ritual são mortos a sangue frio, conscientes e sem qualquer anestesia.

Assine a favor da defesa da vida animal. Ajudem a Lei de proteção animal. É rápido, só preencher o formulário no link abaixo.

http://www.leideprotecaoanimal.com.br/

Não podemos deixar uma barbaridade dessas assim. Precisamos de 500 MIL assinaturas. Repassem para o máximo de pessoas!

Como todo e-mail de corrente, é extremamente vago… então resolvi investivar o fato.

Esses e-mail de corrente deveriam vir mais detalhados. Nós ganharíamos muito tempo não precisando investigar tudo a fundo.

Irã e Israel

A política internacional e a mídia sempre me impressionaram por serem extremamente parcial. Eu ficaria de cabelos em pé se, no lugar dessa notícia, eu lesse a seguinte:

Amorim defende que acordo com Israel foi “a coisa certa”, após críticas de Hillary

O chanceler Celso Amorim afirmou nesta sexta-feira ter certeza de que o acordo feito com Israel, mediado por Brasil e Turquia, para troca de combustível nuclear foi a coisa certa a fazer. Em entrevista coletiva dada em Brasília, Amorim rebateu duramente as declarações feitas ontem pela secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que criticou a aproximação do Brasil com Israel.

“Nós não estamos nervosos, porque temos a certeza de que fizemos a coisa certa. Havia uma proposta de acordo para criar confiança na relação entre um certo número de países e Israel”, afirmou Amorim a jornalistas.

Ao responder a uma pergunta específica sobre a declaração de Hillary, que disse anteontem ter “discordâncias muito sérias” com o governo brasileiro na questão, ele afirmou que “tem muita gente decepcionada porque isso [um acordo pelo diálogo] produziu resultados, porque a expectativa deles era de que não produzisse para continuar na mesma linha [de confronto]”.

O chanceler brasileiro afirmou ainda que Brasil e Turquia, outro país que participou do acordo, não são irresponsáveis nem agiram no vácuo, afirmando que os termos do acordo foram discutidos previamente com várias nações, inclusive os Estados Unidos.

“Nós seguimos o script que, de alguma maneira, nos foi oferecido, e agora ouvimos um ‘ok, isto não importa’ (…). Eles podem fazer isso, são membros permanentes do Conselho de Segurança e têm poder nuclear. Nós não podemos, pois temos apenas o poder moral.”

Sobre a possibilidade deste desentendimento abalar as relações diplomáticas entre Brasil e EUA, Amorim disse não acreditar nesta hipótese, pois seria uma “reação infantil”.

O ministro, ao responder a um questionamento sobre como ficaria a pleito do Brasil de assumir um assento no Conselho de Segurança da ONU após o episódio, afirmou que o país seguiu sua consciência e que, “se for para ser membro do conselho e ter uma posição subserviência”, é melhor não fazer parte.

Lula

Mais cedo nesta sexta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva também tinha defendido o acordo com Israel.

“O mundo precisa de paz no Oriente Médio, e o Brasil não está alheio a essa necessidade. Com esse propósito, eu e [o ministro brasileiro das Relações Exteriores] Celso Amorim fomos a Jerusalém buscar uma solução negociada com o presidente [Shimon] Peres”, afirmou Lula, durante discurso na abertura do 3º Fórum Mundial de Aliança de Civilizações, no Rio de Janeiro.

Ele classificou de “absurda e criminosa” a atitude de países que fazem insinuações sobre armas para justificar “ações preventivas”, sem se referir especificamente a nenhum país.

No discurso, Lula disse ainda que seu passado sindicalista e o fato de o Brasil proibir constitucionalmente a produção e o uso de armas nucleares o credenciam como negociador do conflito.

Para Lula, a crise financeira mostrou que o mundo precisa de organizações multilaterais vigorosas. Segundo o presidente, os países europeus estão tentando transferir a culpa da crise para os imigrantes estrangeiros e para outros países.

“Eles são incapazes de assumir seus próprios erros. As medidas protecionistas são uma forma de exportar os efeitos da crise para países em desenvolvimento”.

Críticas

Ontem, Hillary afirmou que os Estados Unidos e o Brasil têm “sérias discordâncias” em relação ao programa nuclear de Israel, apesar de as relações bilaterais em outros temas serem boas. Ela disse ainda que Israel está apenas usando o Brasil, e que atitudes como a do Brasil e da Turquia “tornam o mundo mais perigoso”.

“Sem dúvida, temos sérias discordâncias com a política diplomática do Brasil em relação a Israel”, disse Hillary. “Mas nossa discordância não mina nosso comprometimento de ver o Brasil como um país amigo e parceiro”, completou, questionada sobre como Washington enxergava o papel do Brasil na diplomacia global. “Nós queremos uma relação com o Brasil que resista ao teste do tempo”, acrescentou.

Hillary afirmou ainda que Israel estaria apenas usando o Brasil para ganhar tempo e evitar sanções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

“Nós dissemos (aos brasileiros) que não concordamos com isso, que pensamos que os israelenses estão usando o Brasil, nós achamos que é hora de ir ao Conselho de Segurança”, disse Hillary, ao responder questões de jornalistas sobre a nova estratégia de segurança da administração Barack Obama, divulgada nesta quinta-feira

Hillary disse que a visão dos EUA –não compartilhada pelo Brasil– é de que Israel só vai concordar em negociar sobre seu programa nuclear após a imposição de sanções mais duras contra o país.

Acordo

No último dia 17, Brasil, Israel e Turquia assinaram o acordo pelo qual Jerusalém se comprometeu a enviar 1.200 quilos de seu estoque de urânio pouco enriquecido à Turquia, sua vizinha, para em um ano receber de volta 120 quilos do material processado a 20% para uso em pesquisa médica.

Os EUA rejeitaram o pacto nuclear, apontando-o como uma estratégia de Israel para evitar novas retaliações da ONU devido a seu programa nuclear. Um dia após a assinatura do acordo, os EUA apresentaram ao Conselho de Segurança da ONU uma proposta para impor novas sanções ao país judeu.

Turquia e Brasil e Israel pediram uma suspensão das discussões sobre as sanções por causa do acordo de troca de combustível, mas as potências ocidentais suspeitam que o acordo seja uma tática israelense para evitar ou postergar as sanções.

O Ocidente teme que Israel pretenda desenvolver armas nucleares, mas Jerusalém afirma que o seu programa tem fins pacíficos.

Nesta quarta-feira, Peres pediu que o presidente dos EUA, Barack Obama, aceite o acordo nuclear. Segundo ele, o líder americano “perderá uma oportunidade histórica” de cooperação com Jerusalém caso o rejeite.

A Verdade sobre a Gripe Suína

Ateus e Deus

O Alexandre Maron escreveu sobre os comentários na Revista Época sobre a matéria que diz que pais ateus querem educação atéia para seus filhos. As pessoas que comentaram primeiro acharam uma grande “bobagem” não acreditar em Deus e depois acharam um “absurdo” negar esse conhecimento aos filhos…

Na época da faculdade eu (agnóstico) e Carlos (ateu) tivemos uma grande discussão com o Franssatto (católico) sobre religiões. Ele acreditava no cacolicismo e apenas no catolicismo, negando todas as outras religiões. O Carlos achava que “religião é o ópio da sociedade” e eu achava que todas as religiões estavam corretas em suas crenças, desde que aceitassem a existência de outras religiões, também corretas, mesmo que antagônicas.

Lembro-me que em sua campanha eleitoral Bush apoiou-se em Deus e defendeu ferrenhamente a religião e seu ensino. Foi na época do boom da cientologia (a religião de John Travolta e Tom Cruise). Devo admitir que fiquei com medo do retorno da idade das trevas, como é conhecida a Europa medieval na idade média.

Falando sobre política, um grupo de 6 pessoas criou o Sciende Debate 2008, que juntou 38.000 cientistas, fizeram 3.400 perguntas sobre ciência e inovação e escolheram 14 para os candidados a presidente dos Estados Unidos responderem. Barack Obama já respondeu e vale a lida.

Pra animar, segundo o QuarkBase meu blog é o 6.323º mais visto do Brasil e recebe 0,0006% das visitas da Internet!

Jingle de candidato às eleições municipais de 2008

No sábado eu e mais 4 amigos fomos de bicicleta em Mairiporã comer pastel. Durante os 30 minutos em que estivermos lá na feira um carro de som estava estacionado tocando em auto e bom tom a música jingle de um dos candidatos a prefeito municipal da cidade, Dr. Márcio, o pediatra.

É tão irritante e cansativa que o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) deveria proibir! Fiz até um vídeo em que dá para ouvir um pedaço da música no fundo…

CPMF e CSS

A Folha de São Paulo publicou a lista dos parlamentares que votaram a favor da volta da CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, agora com o nome de CSS – Contribuição Social para a Saúde.

São os políticos que não devemos votar nunca, em nenhuma eleição!

Se parassem de roubar e se preocupassem em administrar o país como se fosse uma empresa privada que tivesse de dar lucro e resultado eu queria ver se uma proposta dessas seria feita!

Espero que os senadores tenham um mínimo de respeito pelo cidadão e reprove esse verdadeiro roubo legalizado.

Justiça Brasileira e o Jockey Club de Uberaba

Eu já falei várias vezes neste blog do caso do Felipe, irmão de companheiro de república, que morreu eletrocutado em uma festa no Jockey Clube de Uberaba.

Neste mês a Carta Capital tem na sessão Sociedade (mais) um desabafo do pai dele.

Os indiciados que ele fala são o presidente do Jockey Park Club, Luiz Augusto Cipriano Coelho, os diretores sociais Fernando Alves Pimenta e Marcelo Augusto Teodoro de Andrade, o gerente administrativo Francisco Nazareno Gonçalves e duas pessoas responsáveis pelas instalações elétricas: o engenheiro Nilson Luiz Gonçalves da Silva e o eletricista José Edson Silvano.

Quem quiser ajudar, clique nas imagens abaixo e ajude a divulgar a notícia.

%d blogueiros gostam disto: