Comentários no Blog

Eu tenho o costume de responder todos os comentários [inteligentes] do meu blog, mas por conta do excesso de trabalho e problemas pra resolver fiquei quase dois meses sem respondê-los.

Hoje resolvi tirar o atraso e li nada menos que 400 comentários, escrevendo exatas 97 respostas! Fiquei das 22:36h de segunda até 2:21h de terça pra realizar essa tarefa inglória.

No entanto o pior foi descobrir que o plugin de enviar e-mail com a resposta ao autor do comentário está desabilitado… quem quiser ler minhas respostas terá de entrar nos posts… o que acho que não vai acontecer pra 95% dos leitores do meu blog.

É a vida… agora vou dormir pois preciso acordar em 5 horas pra ir trabalhar.

Deixe um Comentário

1 Comentários.

  1. Este comentário é exclusivamente pra vc mesmo; porque foi um dos únicos que tiveram coragem de deixar meus posts, mesmo quando os escrevia dormindo na rua como mendigo, e usando 1 Real para denunciar na Internet, por causa dos pulhas teo-pulhíticos que me roubaram e perseguiram (que estão bem aí mandando e roubando e rindo de todo mundo):

    O céu marrom e o “judas obediente”.
    O “vermelho” e o “verde” juntos dão agora o tom do cúmulo a que chegamos.
    (as línguas sibilam peguentas num esquisito “sinal” que “comunica” os que estão juntos na lama que desgraça nosso País e avança como um caldo putrefacto sobre vários outros países)
    Existem ainda pessoas neste país? Ou só vítimas acéfalas com botão “click” manso-eufórico-iludido-feliz?

    O que querem por trás do pano asqueroso que agora exalça a traição?
    Qualquer um vai sentir um engulho, se quiser ver:

    O que o pinóquio do Nazismo fez para fazer o povo trair descaradamente uns aos outros (nas casas, nas empresas, etc)? Ele e seus amancomunados fiaram a teia do racismo, como mandaram seus títeres nocivos que com dogmas divinos o fizeram.
    E como fizeram para ludibriar toda a ingenuidade e boa vontade do povo contra si mesmo? Inventaram a “confissão” aos ouvidos “divinos”(leim, leiam, porque as pessoas que escreveram pagaram um preço caro para nos dizer); e impetraram a “vigia” dos cidadãos uns contra os outros; pondo-os com mãos e bocas nos pés da SS (o quê esse duplo ésse evocava nele?).

    Então, agorinha, em rede de TV e amparado por forte mídia, um embuste premeditado bem lá atrás (no início da nossa desgraça de hoje) pela Duradoura Safadeza amancomunada dos divinos-vagabundos-“espertos-mandantes”, usurpadora das produções, riquezas e vigor dos povos, desembrulhou com pompa de “hEstória” o “Judas obediente”, forjado restolho do Manual dos Embustes. Nessa “relíquia” esvai-se ante nossos olhos estupefactos, também de vez, mais um finíssimo sustento da Sociedade Civil, o nosso repúdio à traição da dignidade, um valor inalienável da espécie humana em seu viver civil.

    Assim, vem de novo, escumando do refluxo, o horrível espectro do Nazi-Socialismo-Divino-Pulhítico; agora vidrado nos miseráveis; vem impondo os três mais nocivos vírus à ambiência da psicologia humana: a adulação canina, o esgueirar do rato, e o arrulho madornento do pombo; numa mistura marrom infestada de nojeira dos excrementos fétidos que o volume irrefreado de falseadores de intentos atola a Sociedade.

    Vou lhes dizer de uma vez por todas como é que eles operam (de vários, vou assinalar um só campo da ação nefasta desses calhordas):

    Em universidades (isto mesmo, conseguiram aval como charlatões ministradores “do bem” — assim como fazem aí pela mídia que faz boçais usurparem posições em cargos para competentes) foi feita uma “mediação” familiar no “formato” desses pulhas divinos. Os elementos descaradamente se arrostaram de conselheiros das comunidades (com seus vis asseclas-escroques bem postados nas associações) e mandavam assim, na cara de todo mundo ( tonto, euforizados como tolos abobados por crenças) que os “pais” e “padrastos” (vejam, um detalhe: eles começaram a “arranjar” homens pras mulheres, e implementaram um troca-troca nojento, interesseiro, por capachos agoureiros, surrupiadores, difamadores, que enfiaram com crachás de “salvos” dentro das casas das pessoas) deviam “ajudar a dar banho” em garotinhas “rebeldes” que precisavam “ter noção de higiene”.
    É… o caldo do esgôto …
    Mas é só isso? Nosso senso de repugnância passa só superficialmente por isso?
    Há mais aqui, e é o como cada ação nociva deles premedita nossa desgraça civil.
    Quando nos empurraram isso pela goela abaixo, rindo da nossa cara, enriquecendo às nossas custas, eles queriam mais por trás do pano marrom do teo-pulhismo. Pais e padrastos, em nossa social e atual confusão sexual, levados a ver as filhas em desverdecer de idade, são manipulados contra a própria energia sexual, voltando-se pras filhas com um abjeto e insano protecionismo.
    Insuflado o crime, o pavor se instaurou sob nossos olhos estupefactos.
    E eles, os mandantes e maquinantes de tudo isso, ainda lucraram, tirando de cima deles mesmos tudo que sempre fizeram com os infantes.

    E veio a gripe também. Ninguém se apercebeu que o povo estava em polvorosa, com tanta corrupção, totalmente esfacelado. Homens dignos sendo desavergonhadamente escorados na parede, por salafras que contavam e contam com nossas cabeças como seus rebanhos de patetas; homens que não tinham como nos defender ante a cara risonha dos juntados em monturos de imundície; que caçoam da Nação como detentores do “controle”. Ninguém se deu conta que a nós foi “aconselhado” não ficarmos sequer perto uns dos outros a dois metros de distância; escolas foram fechadas, cinemas foram prejudicados, etc; mas os monturos divinos de esquizofrenia coletiva se fartaram lotados.

    Dia-a-dia vemos isso, e em tal cegueira civil nos colocaram que parecemos doentes terminais amarrados nas cadeiras frente às parvoíces e covardias da TV; infestada por vigaristas fanfarrões, falastrões. E ao invés de vermos as outroras posturas de liberdade que se levantavam das cenas, dos atos, das músicas, agora vemos nossos heróis e valentes, criativos e audazes, se submeterem à entonação do engano.

    E a Natureza esperneia, e ventos nos sacodem, e chuvas nos lavam; mas nada adianta. Estamos como fracos, desperdiçados em vida como babás de cachorros, totalmente desgraçados pelos encantos e fantasias que nos venderam e impuseram. Nossos melhores garotos e garotas foram sacrificados para que não tivéssemos uma geração que brilhasse por nossos prósperos anseios.

Não fique de fora, dê sua opinião!

%d blogueiros gostam disto: