Author Archives: Cid

Eu to ligado que eu to no talo… Não sumi não, s…

Eu to ligado que eu to no talo…

Não sumi não, só dei um tempo, não ando conectando muito esses dias pq a coisa aqui em Mogi é meio foda, mas a gente vai levando!

Cintra, seu cafageste, vcs me armaram uma no meu aniversário que foi foda! =oP No dia seguinte a gente também foi comer no shopping, por pouco que nao nos encontramos! Fui eu, a Camila (pra quem não sabe, a minha namorada que foi até Sanca me fazer uma surpresa, heheh) o Galli, o Bizarro e o Marqueto! Sacanagem hein, também comi aquelas batatas do King Potato! haHaHaha!! Tá muito estranha essa parada… =o]

Bem, acho que é só, pelo menos por enquanto… Um braço pro LennonZ, Cintra e mais quem postar aqui, e um beijo pra Taty!

FUI’z!

Expedição Bragança Paulista – Parte II (sábado) [C…

Expedição Bragança Paulista – Parte II (sábado) [Cid’s view]

No sábado a coisa já começou grave… Lá pelas onze horas da matina o pessoal do meu quarto começou a acordar, e eu, mais que depressa tentei descolar o meu pãozinho e o meu copo de leite antes que o Cintra acabasse com tudo! Quando saio lá fora, o impacto! “Caramba, que lugar bonito!” No dia anterior não pudemos ver a paisagem pois era madrugada, mas agora a coisa ficava mais bonita, a paisagem montanhosa com uma estrada cortando-a bem no meio e fazendo curvas que a deixavam mais chamativas… Uma das cenas que mais me impressionou foi ver o cachorrinho de lá da chácara mesmo (esse a gente não descobriu o nome) vomitando, bem na minha frente! Eu tinha acabado de acordar, visto a paisagem, quando olho o cachorro vomitando na minha frente pronto né, o que vem na minha cabeça? “Caramba, se o cachorro está assim, imagina a galera, o quanto que não deve ter bebido!” Enfim, alarme falso, o cachorrinho que era fraco mesmo, hehehe… Depois de tomar um café ‘de gente’ o pessoal não mudou não, voltaram pras suas respectivas cervejas e voltamos ao que começamos no dia anterior! =o] Neste momento a mãe da Jú já estava na chácara e o pai dela tbm, ela tinha saído para buscar alguma coisa e a Fernanda e a Elen, que estavam chegando na rodoviária de Bragança…

“Os caras do outro quarto estão dormindo muito, vcs não acham?” Esta foi a afirmação que acabou de vez com o sono da galera do outro quarto… Utilizando-se de armas secretas como o ‘Vinícius’ e a ‘Sasha’ (os cachorrinhos da Jú) simplesmente trancamos os dois dentro do quarto da galera onde estava todo mundo dormindo… Não precisa dizer o que aconteceu, né? A gente descendo pra jogar futebol e de lá de baixo só ouvindo os cachorros latindo trancados dentro do quarto! >=o] Pois é Kicho, não vou esquecer de vc, já que foi em cima dele que a galera soltou os cachorros, mas tudo bem, pelo que eu fiquei sabendo ninguém foi mordido pela (estúpida, violenta e frustrada sexualmente) Sasha… =o]

Toca jogar bola né, a maioria ali não amava jogar futebol, mas fazer o que? Já que tá na chuva é pra se molhar! Aquele sol do meio-dia e meia dúzia de caboclos tentando jogar futebol (foi mal ae Bicho, Franssato, Clóvis, e sei lá mais quem que gosta de jogar) o mais importante foi a breja em cima da pilha de tijolos, com o celular (ligado) ao lado, enquanto o povo se matava correndo atrás de uma bola… Devagar os participantes da partida foram saindo fora… Primeiro um, depois o outro, e assim eu saí na primeira leva logo de cara (graças a Deus!), por fim, a partidinha de futebol ficou por alí mesmo e todo mundo foi fazer outra coisa (beber cerveja, pra ser mais exato, hehehe) =o]

Nesse momento já não estava frio, mas a água da piscina parecia congelada… Nenhum impecílio para o Cintra e o Claus, não sei o que os caras vêem em piscina, que foram os primeiros a pular… E, como já era de se esperar, inventaram de ir jogando um por um na piscina, de roupa e tudo… Fazer o que, os precavidos que se virem, vazei pro quarto o mais rápido possível pra me livrar de relóio, tênis, celular, óculos, essas coisas básicas, hehehe… No fim da farra tinha ido quase todo mundo pra piscina, menos uma pessoa… A aniversariante! =o\ “Se alguém tentar me jogar na piscina eu vou ficar uma semana sem conversar com ele!” essa frase (dita pela mesma) foi marcante, seguida por “Ela luta Tae-Kwon-Do, hein!” solta pelo pai da vítima, em defesa da mesma… Enfim, beber cerveja é melhor do que criar caso, então voltamos novamente cada um pras suas respectivas cervejas! (meu Deus, como a gente bebeu! Só agora q to tendo q lembrar de tudo que estou percebendo, meu, vcs fazem quantos km por litro????) =oP

Enfim, ninguém pára em pé só com bebida, né? Então, “Hora do churaaaaaasco!”… Pra que, todo mundo mais que pronto mandando ver nos espetinhos, pãozinho com maionese (ainda morro disso), salsicha assada (pois é, como vc, eu também nunca tinha comido, hehehe) entre outros que agora não me lembro, batidinhas mil feitas pela mamãe da Jú, e muuuuuuuuuuita breja! Fazer o que, é tida como o néctar dos Deuses! (Velhas Virgens que o digam!) A música rolava solta… Bruce Dickinson, Black Sabbath, Joe Satriani, e mais, mais, mais… A coisa foi ficando mais foda quando um pessoal amigo da Jú chegou, só que não se relacionaram direito com o povo né, não sei pq, disseram que é por causa da espécie mesmo, que não gosta de se relacionar com pessoas diferentes, eu não sei, mas enfim, os BCCs (como éramos chamados pelos nativos) ficaram no truco, breja, som e comida, enquanto os nativos ficaram em comida, breja e ouvindo o som que A GENTE colocava, hehehe… Fazer o que, supremacia a gente mostra de cara, né? =o]

À noite as duas amigas da Jú, Débora e Nicole, queriam ir numa discoteca em Atibaia, mas a coisa ia ferver quando disseram que o preço era de 25 paus… Bem, 25 paus não é caro para sair, principalmente se a discoteca for boa, o foda é que pra universitários é caro, sim! hehehe!! =o] Fazer o que né duas, na próxima a gente vai, tá? Coitadas, tiveram que ir junto com o povo para um boliche lá no lago… Antes de sairmos a parte dos banhos foi grave, todo mundo se matando pra tomar banho, fazer o que, tiveram que tomar banho no banheiro das meninas também né, senão só sairiamos da chácara depois das duas da manhã!!! =o\

Lá no boliche a coisa não podia ser diferente, lotamos quase todas as pistas (também, lugar pra quase 25 negos é foda, hein?) e a galera ficou jogando durante um bom tempo, teve gente q jogou uma hora, uma hora e meia e até duas horas e pouco (o nosso caso, hehehe) na minha pista estavam eu, Galli, Marqueto, Elen, Fernanda e o Daniel, amigo da Jú, acho que o único nativo MUITO gente boa que a gente conheceu! Depois de jogar e todo mundo ficar com os tendões doendo, o jeito é ir pra discotequinha lá em cima das pistas né, e foi isso que o povo fez! Meu, particularmente, eu achei o lugar muito ‘propício a aproveitadores do sexo masculino’ mas beleza, cada um com os seus problemas! =o] Todo mundo dançando, bebendo e curtindo, conhecemos o namorado da Jú, que ficou fazendo cara de fome a noite inteira (cara feia pra mim é fome! HAhAhaH! Agora ela me mata! =o]) A roda que fizemos foi o mais legal, todo mundo curtindo pra caramba, o único inconveniente eram os nativos (não os que estavam na chácara, os nativos do boliche mesmo) que entravam na nossa roda pra tentar dançar alguma coisa, só que na maioria das vezes tiravam gargalhadas dos presentes (hehehe, eu não ia perder a oportunidade de falar disso, né? =o]) enfim, a galera curtiu pacas e foi chegando a parte em que as músicas saíam um pouco do Axé/Forró e foram rumando mais pro Rock/Punk… Com algumas musiquinhas do Tihuana, Raimundos e talz, a galera foi ficando cansada e os metaleiros (nós, hehehe) começaram a se divertir finalmente! =o] QUando a galera resolve ir embora, beleza, todo mundo lá embaixo… “Cadê o Clóvis e o Kicho?” foi a frase que se ouviu, e prontamente eu já soltei a minha “Deixa que eu vou lá em cima pegar eles!” bem na hora que começou a tocar ‘We’re Not Gonna Take It, do Twisted Sisters’ fazer o que, né? Sacrifício, animei tanto que tive que voltar la pra pular mais um pouco com o Kicho e o Clóvis, que nessa hora já estava pra lá de bagdá, batendo cabeça com mais uns nativos malucos lá, enfim, foi a melhor parte da noite! heHEhe!! =o]

Todos juntos novamente, “Bora pra chácara que eu quero beber mais!” ouço uma voz dizendo essas palavras terríveis, não me lembro quem falou, mas enfim, vamos obedecer nosso querido amigo! =o] Ahhhh! Esqueci de falar uma coisa! Enquanto a galera se matava de curtir e dançar, o Marqueto sumiu com a Nicole, amiga da Jú e quando eu vejo os dois de novo, estão lá eles de mãos dadas… Particularmente? Previsível… Mas olha, não espalha pra ninguém, hein!!! =o] Na volta paramos em um posto pra esperar a Débora que ia passar na casa da Nicole e depois iam se juntar a nós, e ficamos esperando as donzelas né… Clóvis chapadão, Kicho curtindo um Rage Against The Machine no meu carro, falando que usava “Killing In The Name” (música do RATM) na secretária eletrônica, e a galera só curtindo na boa… (Kicho, vc mudou a música da sua secretária para Thunderstruck -AC/DC, pensa que eu não vi? Tais de parabéns, hehehe! =oP) Depois de muito esperar (à toa) a galera resolve ir pra chácara sem a Débora e a Nicole mesmo… A necessidade de beber cerveja era muito grande, né Galli? =o] Voltamos pra chácara e a coisa foi grave, todo mundo bebendo mas o pique da galera foi diminuindo e um foi dormir, depois o outro, e assim foi acabando o nosso sábado na chácara, com a volta para Sanca cada vez mais perto… Eu fui deitar lá pelas cinco horas da manhã, não sei até que horas os madrugueiros de plantão (Claus, Kicho, Clóvis, Cintra, etc…) ficaram acordados, só sei que, pelo que eu me lembre, o Moma foi o primeiro a dormir… NENEZÃO!!!

Lá pelas sete horas me acorda o MALA do Marqueto desesperado e gritando “Ai! Ai meu braço! Ai meu braço!!” O coitado estava inconsciente… Com o braço direito, ele pegava o esquerdo (que estava adormecido completamente pelo fato de ele ter dormido em cima do braço) e chacoalhava este desesperadamente falando “Ai meu braço! Ai meu braço!” Em questão de segundos, quando ele já tinha conseguido acordar todo mundo com a sua histeria matinal, ele vira e capota no travesseiro, pá-pum, o cara dormiu igual a uma pedra e nem parecia que tinha gritado segundos antes…

Fazer o que? Depois do Marqueto sossegar, pudemos voltar ao nosso descansinho (merecido, por sinal) e ninguém quis nem saber o que acontecia, capotaram cada um na sua… Assim terminou nosso sábado em Bragança Paulista, regado a cerveja, churrasco e boliche, enfim, a galera curtiu pra caramba… =o]

… to be continued.

Cintra, to fazendo a maior propaganda do seu blog …

Cintra, to fazendo a maior propaganda do seu blog cara, até meu primo já tá lendo essas paradas!!! E outra, tá de parabéns pelo layout… Dos blogs que eu andei vendo por aí cara, tá tudo grave a coisa, cada um com uma cor pior que a outra! Tá certo que não ví o seu ainda LennonZ, e nem do resto que escreve aqui, então estes não estão excluídos na minha citação, ok? =o]

Um grande abraço! hehehe…

Expedição Bragança Paulista – Parte I (sexta) [Cid…

Expedição Bragança Paulista – Parte I (sexta) [Cid’s view]

Sexta-feira, 17/08, 16:48h… Eu, Rodolfo Cid, estava na casa da minha querida namorada, quando me toca o celular e pude ouvir a voz do Claus dizendo: “Já estou chegando em Mogi!” Mais que depressa eu solto: “Já to chegando aí!” E foi assim que começou a nossa aventura (a dos desbravados, destemidos, DESLOCADOS, únicos manés que não estavam com o comboio que saiu de Sanca!) em busca à terra perdida! =o] Saí de Itapira o mais rápido possível e em 15 minutos já estava em Mogi Mirim colocando a super-mochila do nosso amigo no porta-malas do Golzinho SuperPower (que mais tarde iria se tornar uma almôndega à milanesa junto com os outros carros, de tanta poeira que ia engolir, coitadinho, e que deixou o Corsa do Clóvis no chinelo no morro da casa da Nicole, mas essa é uma outra história, hehehe…) e decepcionado, já que achei que o Golzinho sairia lotado de gente de Mogi Mirim, mas enfim, só nos resta rumar para Amparo, em busca do nosso amigo ‘Galli’ que estava fazendo testes nucleares e genéticos no hospital da Unicamp, já que possui poderes estra-sensoriais e estava sendo estudado lá… (pra mim ele só pode ser um X-Men) Não sei porque fomos pegá-lo em Amparo, só sei que pra mim foi uma mão na roda, então… =o]

Chegando em Amparo, o fácil foi achar a rodoviária (que o Galli tinha combinado comigo da gente se encontrar) e o difícil foi saber que já tinhamos entrado na cidade e eu nem tinha percebido… Na ída quase 2 óbitos, meia dúzia de bois e vacas dando um rolé pela pista sinuosa até chamaram a atenção, mas não ofereceram tanto perigo, graças ao tiozinho do caminhão da frente que soube dar luz na hora certa… (ao contrário da maioria dos caminhoneiros, hehe)… Após muito esforço estamos nós na rodoviária de Amparo, (valeu metaleiro que nos ajudou a chegar lá! Vc explicou direitinho o caminho pra gente! Se algum dia vc ler esse blog vc vai saber que é vc! =o]) Galli Pai e Galli Filho nos esperavam, um louco pra xapar e o outro, louco de preocupação… “Galli, joga sua mala aqui no porta-malas e deixa que o Claus vai com o presente da Jú no colo…”

“Barriga cheia, pé na areia!” Loucos de vontade de sair pelos caminhos que nós nunca tínhamos andado, armados de mapa e de navegadores excelentes (agora eu puxei o de vcs, hein?) espírito aventureiro era o que não faltava, a única coisa que faltava era a barriga cheia, já que eu estava passando só com um kibinho que comi saindo do posto de gasolina, ao meio dia, que foi a hora que saí de Sanca, mas isso é detalhe, hehehe… “Fica na boa Cid, eu sei andar aqui em Amparo…” Com o Galli falando assim, quem não confia? Pois é, o foda foi confiar, hehe, quando vimos que ele estava nos levando para uns lugares muito escrotos, mas no fim deu tudo certo, encontramos a linda placa indicando Bragança Paulista (foi a visão mais linda que eu tive naquela cidade, hehehe)… Toca pra Bragança pela estrada de Morungaba, mas entra pra Tuiuti antes de chegar em Morungaba, ou seja, se passar já era… Estrada estreita, sinuosa, com curvas que botavam medo em qualquer um (e que posteriormente, com a minha ajuda, pôs medo nos meus navegadores, heheheh) em meio a subidas em que o golzeta tinha que subir em segunda marcha e a decidas que eu nunca tinha visto, mas que uma S10 desceu rasgando, fomos nos embrenhando montanhas adentro e a noite foi chegando… Depois de ouvir Black Sabbath, Joe Satriani, Offspring e finalmente Nirvana, chegamos numa pequena estradinha que liga Tuiuti à Bragança Paulista… “Deve ser essa aqui.” digo eu, preocupado em tomar o caminho errado… “Entra aqui pra direita que vai dar certo” algum dos meus dois navegadores, que agora não me recordo quem foi…

Legal, caímos em uma rotatória totalmente viajada e ao invés de parar e ligar para o Tio Emir (pai da Jú… o cara que mais gastou dinheiro no fim-de-semana, ehehehe) a gente inventa de entrar numa avenida né, pronto… Toca fazer serviço de “marrão” (como diria o Galli) até chegar no Supermercado Rurais, onde finalmente conseguimos falar com o Sr. Emir, a pessoa que nos salvaria no meio daquele monte de carros… “Aguenta aí no supermercado que eu já to chegando!” Nunca ví uma ordem ser cumprida tão prontamente, hehehehe, já que ninguém sabia onde estava, pra onde ia e nem de onde tinha vindo, mas enfim, é a vida né… =o]

Depois de bater um papo com Mr. Emir nós o seguimos e chegamos finalmente na casa da aniversariante… Que surpresa, chegamos antes de todo mundo! 19:00h era o horário, e, de acordo com o que o Cintra escreveu, eles não deviam estar nem na metade do caminho… A casa da Jú é legal, o Vinicius (cachorro dela) também é legal, mas eu não gostei da estúpida da Sasha, que chegou a morder meu calcanhar!! Eu particularmente acho que a Jú devia bater na cachorrinha todo dia, pra ela ficar tão revoltada quanto é! Bem, Sasha trancada no armário, a gente começa a pensar em relaxar, hehehe… Conversa vai e conversa vem, depois de escondermos o presente da aniversariante com a cumplicidade da Dona Henriqueta (formada em Matemática e especializada em Algebra Linear, pasmem!), só nos resta obedecer a ordem do (nessa hora) querido Emir! “Vamos lá no fundo tomar uma cerveja enquanto o pessoal não chega!” Ai meu kibinho solitário, espero que ainda esteja aí pra aguentar!!!! Depois de umas 5/6 brejas, me chega as 9 pizzas que o (nessa hora) excelentíssimo Emir tinha pedido! “Ahhhh, que esperar o pessoal o que, vamos comer já!” Nessa hora meu kibinho vibrou, afinal, ele já não estava dando conta das brejas sozinho, heheheh… Depois de muito comer e acabar com a solidão do kibe na vastidão do meu estômago, finalmente são ouvidas buzinas e barulho de carros chegando… Pois é, o sossego tinha acabado e a curtição estava apenas começando!!! “Aquele ali é o Marqueto?” disse o pai da Jú apontando de cima da sacada para o carinha de boné, que dirigia um Uno CS cor creme e falava em voz muito alta “Chegamo, povão!” enfim, o Sr. Emir entendeu direitinho quando eu falei que ele iria saber na hora quem era o tal Marqueto… =o]

Galera chega, tira sarro da gente, come até encher o bucho… Chegam mais 10 pizzas (pois é, aquelas 9 foram só o começo) e ninguém tem mais estômago pra comer tudo. Enquanto a galera dissipava (uns ficavam jogando truco na sala, o bixo ficava assistindo coisa de esporte na televião da cozinha, a mãe da Jú não parava de cozinhar, os caras foram assistir Presença de Anita (ou será Ausência de Sutiã?) e num momento ‘super’ sóbrio é criado o MQSJM, vulgarmente conhecido como Movimento Quero Ser José Mayer, afinal, aquela cambada de homem na sala assistindo a Mel Lisboa sem roupas durante quase 1h só podia resultar nisso!

Não demorou muito para darmos o presente para a Jú, eu não achei que ela tenha gostado tanto assim, mas ela falou que gostou… Enfim, a gente tentou galera! Não fiquem chateados, qualquer coisa ela vai lá e troca o presente! heheh!!! =o]

Quase duas da manhã e vem a maravilhosa idéia “Ei galera, vamos logo pra chácara, vai!” Pra que, parecia que todo mundo estava pensando o mesmo! Em dez minutos encaixotaram o Videokê e rapidamente estava a televisão no meu carro, o Videokê em algum outro e o mesmo com o aparelho de som! Toca pra chácara galeraaaaaaa!!!

Depois de dar voltas e voltas em Bragança Paulista, do Clóvis ficar para trás e se perder na cidade (“Eu vi placa de radar e não queria tomar multa, então fui devagar e vcs foram rápido, fazer o que…” – desculpa do Clovão), conhecer o tal do ‘lago’ (que é o agito por lá) e passar na frente da USF (xupaaaa!!!) a Jú, que estava encabeçando o comboio resolve rumar para a chácara… Depois de uns 5/6km de estrada pavimentada, ainda mais uns 3km de estrada de terra até chegarmos na tão falada chácara, e o Claus no banco de trás abraçado com a Televisão, afinal, não tinha apoio né, tinha que ir alguém segurando mesmo, hehehe…

Chegando lá a farra foi geral… A galera descarregou os carros com uma rapidez de dar inveja até ao meu pai (que perde a paciência com a minha mãe sempre que a gente viaja, de tão demorada que ela é pra escolher o que vai colocar e tirar do porta-malas, heehehe) Haviam 3 quartos e 2 banheiros… Um quarto ficou para as meninas, e os outros dois quartos a galera se matou para arranjar um lugarzinho legal pra dormir, teve direito até a princípio de tumulto Moma x Marqueto pra ver quem ficava com uma cama ‘X’ lá, mas tudo foi solucionado racionalmente… (me surpreenderam, rapazes! Estão de parabéns, hehehe =o]) Depois de tudo ajeitado os quartos ficaram assim, no quarto super-fodão ficaram: Eu (avá!), Galli, Cintra (e seu Sleeping-Bag), Bizarro, Marqueto, Moma e Baga . Sendo que esses dois últimos foram meio lusitanos na escolha de suas camas, já que colocaram uma em cima da outra e improvisaram uma beliche, só que quem já conhece, sabe, o Baga tem quase 3m de altura e o Moma já é um pouco mais normal, o difícil foi caber o Baga na cama de baixo né, o cara dormiu encolhido todos os dias, HEHE!!! No outro quarto ficaram: Marleta, Canovas, Clóvis, Bixo (irmão do Clóvis), Kicho, Claus e Franssato, ou seja, o quarto dos amadores, sabe como é… (se defendam, covardes! hehehe!)

“Eu hein, vou tomar banho correndo! Depois o banheiro fica cheio de pêlo aí, to fora!” Faço minhas as palavras do Moma na hora em que conseguiu tirar suas roupas da mala e se trancou no banheiro! Em segundo lá estava eu, garantindo a minha ótima noite de sono todo limpinho, heehehhe! Meia hora depois, todo mundo de pijama, bebendo cerveja e comendo as pizzas que sobraram (e olha que não foram poucas!) até que alguém tem uma idéia… “Vamos jogar WAR!” Fazer o que, né? Toca arrebentar aqueles marrecos no jogo… Pena que a coisa foi ficando monótona e eu não aguentei, larguei mão de jogar e o Franssato entrou no meu lugar, ganhando o jogo depois (pelo que ele disse!)… O Bizarro nesse momento estava no ‘estacionamento’ olhando as estrelas com seu binóculo que ele não desgruda! Todo mundo queria ver estrela também, e não puderam deixar de zuar com o Marqueto tomando banho, afinal, a janela do banheiro dava lá para fora… Assumo ter participado do atentado, dizem que ele até caiu no chão do banheiro quando demos o susto nele pela janela, eu não vi direito, a ação foi muito rápida, pá-pum, foi a gente gritar e o Marqueto capotar no chão… =o] A coisa ficou mais legal quando veio a idéia de fazer o até então desconhecido “Lá vem o sol”… Enfim, o sol era uma lanterna e a música era uma cortesia dos rapazes, que iam de quarto em quarto tocando violão e acendendo a lanterna na cara de quem estivesse dormindo (o Marleta que o diga, né cara? Vc fala que não, mas que vc deu um puta pulo deu, não vem com onda!!! =o]) A coisa foi legal, ainda mais com a promessa de fazer “O Galo”… Uma super produção dos estúdios Bcc2k em parceria com as Organizações Tabajara, com direito a efeitos sonoros e até visuais, ok, Marqueto ajeita seu super celular para despertar às oito horas da manhã… A hora estava marcada, o sono de todos, a partir deste momento, estava condenado… >=o] Após muitos “Outro quarto… XUPA!” e “Eu, Eu, Eu, o Canovas já Comeu!” a galera acabou pegando no sono, afinal, o friozinho também ajudou bastante… (o único que ficou na boa foi o Cintra, com seu Sleeping-Bag, mas o difícil foi ele dormir do lado do Bizarro, que toda hora queria ver o que tinha dentro do tal saco de dormir… Força Cintra, estamos do seu lado! =o]

Oito horas da manhã e o celular do Marqueto toca… “Hora de fazer o galo!” Legal, eu estava esperando por aquele momento mais do que ninguém! Quando eu levanto na cama e olho, todo animado, o que vejo? Aquela cena deplorável, todo mundo dormindo, o Moma até roncando e o Baga todo encolhido na beliche… Gravíssimo, desanimei, broxei! Fazer o que, foi só barulho, a galera me decepcionou, mas o que é que eu posso fazer? A cara do Cintra eu nem via, enfiado em seu (aparentemente) confortável saco de dormir, e a do Bizarro eu também não via, enfiado naquele saco de dormir do Cintra… HAhAHA, calma, é brincadeira… =o] Enfim, o que mais podemos fazer? Virei, deitei na cama e voltei a roncar gostoooooooso… Assim terminou a nossa sexta-feira em Bragança, quase às 6:00h da manhã… =o]

… to be continued.

Oi Tati, seja lá quem vc for, tudo bem? =o] Como o…

Oi Tati, seja lá quem vc for, tudo bem? =o] Como o Cintra é mal-educado ele não me falou de nenhuma Tatiana que escrevia no Blog dele, enfim…

El Cid é um personagem da história sim, mas não sei se ele tem alguma ligação com a minha família (alguns familiares dizem q sim, outros não, já que são quase todos espanhóis né) enfim, eu só sei que eu dou de 10×0 nesse El Cid ae, diz ae povo? =o]

Cintra, queria saber o seguinte, quem mais vc deu permissão pra escrever no blog? O Moma e o Marqueto? Vc só esqueceu de avisá-los!! =oP

Um grande abraço…

Galera, só pra avisar… Cidoca na área, ou seja, …

Galera, só pra avisar… Cidoca na área, ou seja, esse blog vai ferver… =o]

E pra começar, já preparando um super-hiper-ultra-detalhado resumão da nossa querida expedição a Bragança Paulista, com exclusividade, vindo diretamente dos aventureiros Cid, Claus e Galli, que se meteram por meio de cidades antes desconhecidas, Tuiti, Tuiutitaba, Morungaba, Wehakldfgaba, Wekjfskjndaba e finalmente, Bragança Paulista! O outro lado da aventura está por vir!

Aguardem…

“In teathers… Soon!”

%d blogueiros gostam disto: